segunda-feira, 30 de junho de 2014

E O RAMADÃ, HEIN?

 
É o nono mês do calendário islâmico durante o qual os muçulmanos praticam o seu jejum ritual e Halilhodžić, técnico da Argélia aproveita pra dar pití quando o assunto aparece nas entrevistas.

O fato é que, com ou sem Ramadã, os argelinos vieram com fome de bola (pelo menos) e deram sufoco na Alemanha no primeiro tempo.

No segundo tempo a Alemanha melhorou, mas a Argélia não deu sinais de inanição e continuou dando trabalho.

Os alemães se mandavam e o Neuer, goleiro alemão, além de ótimas defesas, cansou de jogar - e bem - como líbero.
Do outro lado, Raïs, goleiro argelino, fez um monte de defesas impressionantes comprovando que nem todo OXO é jogo ruim.

Prorrogação e logo no comecinho Schürrle, meio de letra, meio de calcanhar e com muita sorte, faz a Alemanha respirar.
No penúltimo minuto Özil faz o segundo da Alemanha e, no último minuto, Slimani desconta para a Argélia.

A torcida, no Beira-Rio, presta justa homenagem à argelinos e alemães aplaudindo longamente as equipes responsáveis por mais um jogo espetacular.

Sexta-feira, uma da tarde no Maracanã, França e Alemanha.
Torço para ser um aperitivo da melhor qualidade para inspirar Brasil e Colômbia.


AUX ARMES CITOYENS!

Gana criou moda e os nigerianos, aquecidos pela grana que esquisitamente chegou a bordo de mais um avião, esquentam o jogo contra a França.

Ainda na fase de grupos o Maradona, numa entrevista ao Sorín, disse uma coisa interessante: as seleções ditas pequenas, ao contrário do ocorrido em outras copas, estão atacando em vez de ficarem trancadas.
O que foi se confirmando a cada fase.

A França segura a onda, dá uma estocada ou outra e visivelmente se poupa aguardando períodos mais agudos que virão.
Menos o Valbuena. Tomara que os muitos jogadores brasileiros do meio de campo estejam vendo - e se inspirando - nesse baixinho bom de bola que tem visão de jogo e corre pelo campo todo sem ser uma enceradeira.

A Nigéria apertou, mas a França, depois de várias oportunidades evitadas pelo ótimo Enyeama, marca com PogBa de cabeça.
(Cujo é mais um digno representante da família “Ba” - que tem sua estrela máxima em DrogBa. Perdão, leitores.)

No finzinho Valbuena faz mais uma de várias boas jogadas, põe a bola rasteira na pequena área, Griezmann aperta e Yobo faz contra.

(James Rodríguez e o Gol Contra são artilheiros no momento.)

A França nas últimas copas é uma seleção “tá fundo, tá raso”: campeã em 1998, caiu na primeira fase em 2002, vice-campeã em 2006, caiu na primeira fase em 2010. Se continuar nessa sina...

JÁ É DESESPERO.

 
"Não vai ter Copa", não colou.
"Não vai ter estádio", não colou.
"Não vai ter comunicação", não colou.
"Não vai ter organização", não colou.
"Vai ter caos nos aeroportos", não colou.
"Vai ter apagão", não colou.

Agora resta torcer contra o time e seguir divulgando notícias ridículas como essa:

ÚLTIMAS DO ESTADÃO
28.06.2014 - 16:00
 
BANDEIRINHAS AUMENTAM CONSUMO EM 3%
Um estudo realizado pela Universidade Manchester revelou que um automóvel com duas pequenas bandeiras anexadas gasta um litro a mais de combustível quando se desloca a 70 km/h.
 
Como se alguém, ainda que se preocupasse com tão relevante despesa, conseguisse andar a 70km/h nas cidades brasileiras.
O que, claro, também é culpa do governo!

domingo, 29 de junho de 2014

PURA VIDA!

 
Parece slogan de iogurte, mas “Pura Vida” é uma saudação costarriquenha que (sic) “Pode ser usada tanto como uma saudação ou uma despedida, como uma resposta expressando que as coisas estão indo bem, ou como uma maneira de dar graças.”

Com o título indiscutível de time mais chato da Copa, a Grécia (como o Brasil de ontem) parece estar levando um jabá para fazer propaganda antecipada da continuação do campeonato brasileiro.
A gente até espera alguma coisa mas, Christodoulopoulos e Salpingidis não se entendem com Papastathopoulos.
Nem eles nem nós.

Resta aguardar a Costa Rica fazer gol e acabar com a chatura.
E é o que acontece aos 7 minutos do segundo tempo com Bryan Ruiz finalizando de mansinho no canto.

Mais 40 minutos de nada e acordo de um cochilo a tempo de ver o Papastathopoulos fazer o favor de levar o juguim para a prorrogação.
Ainda devo estar dormindo, pois escuto um “ista” falando sobre a Costa Rica não suportar a Grécia ultraofensiva(!?).

A prorrogação acontece com os dois times rezando para que o mundo acabe em barranco e, arf, arf, vão para os pênaltis.
Keylor Navas vai ao paraíso e a Costa Rica vai encarar a Holanda.

(Inédito! Estou com 100% de aproveitamento no meu chutômetro.)

MAIS UM JOGÃO. QUE NOVIDADE!

 
Holanda e México, derretendo em Fortaleza onde a torcida se escondia do sol, fazem um jogo de dar gosto.

O México abre, aos 3 do segundo tempo, com um golaço de Giovani dos Santos.

O jogo segue muito bom e, aos 42, Sneijder (que conhecemos bem...) empata.

Aos 46, Robben - o “Nosferatu filho” (“Nosferatu pai” é o ausente Ribéry), que vem fazendo uma senhora Copa, sofre pênalti. Huntelaar marca e dá sequência à maldição mexicana que para nas oitavas pela sexta Copa seguida.

Depois do Brasil e Chile de ontem, que mais pareceu um anúncio do campeonato brasileiro, com tudo se resumindo nas ridículas “ligações diretas” - chutões pra frente em português claro -, deu gosto de ver um jogo bem disputado, com 02 (dois) cartões amarelos, muitos chutes a gol e emoção até o último minuto.

Por razões opostas, grandes figuras os técnicos Miguel Herrera e Louis van Gaal.


OS FÃS DE “CREPÚSCULO"...

 
... E outras bobagens afins, devem estar adorando essa sacada da Fifa (por pura sorte ou, mais provável, por puro “acordo comercial”, como é de praxe nessa impoluta entidade) na adoção destas macas-ataúde.

Entretanto a impressão é que os jogadores, ao desabarem no gramado, tentam tudo para se recuperar logo evitando serem transportados nesses caixões de gosto pra lá de duvidoso. O que acaba deixando o jogo mais ativo.

(Esse pré-cadáver da foto é o fisioterapeuta da Inglaterra, Gary Iewin, que machucou o tornozelo ao comemorar o gol de Sturridge e teve que habitar o tenebroso receptáculo.)

sábado, 28 de junho de 2014

Ô INVEJA!

 
Parecia replay por causa do uniforme “ovo frito” tal e qual o do Brasil. Mas, era a Colômbia contra o Uruguai - “mordido” por causa da injusta pena aplicada a “vampirito” Suárez (perdão, leitores).

Só parecia. Porque a Colômbia deitou, rolou, esponjou e James Rodríguez virou artilheiro isolado com 5 gols.

Agora é aturar os “istas” falando sobre a proposta de jogo, descobrindo os fabulosos valores colombianos até então ocultos, revelando os profundos conhecimentos do técnico José Pékerman (que, em 1978, ganhava a vida como taxista pelas ruas de Buenos Aires) e jurando que sempre souberam o perigo que representa a Colôôômbia...

(Acredite se quiser: acertei as duas primeiras das oitavas!)

JÚLIO CÉSAR SALVA A PÁTRIA!

 
Primeiro tempo, joguinho “assim como direi”.
Não consigo entender o Brasil ter - como principais jogadas - a esticada de bolas na nefanda “ligação direta” e cruzamentos para aproveitar a tal da baixa estatura da zaga chilena - que não tomou o gol do David Luiz por isso.

Onde está o meio de campo criativo? Fazendo faltas e mais nada.
Ruim de ver e de torcer.

Falando em torcer, a torcida, no melhor estilo coxinha, vaiou o hino chileno, seguiu cantando “eeu soou brasileeeiro” e mais nada.
Perdoai-os, Senhor: além de tirar “selfies” e pular quando se vêem no telão, eles parecem não entender lá grandes coisas sobre o que deveriam estar fazendo ali.

O Chile joga como o Brasil deveria jogar, Júlio César cala a boca de todos os críticos e o Felipão, grande estrategista, troca Fred por Jô enquanto o meio de campo continua inexistente.

E, sem meio campo, cadê o Neymar?

Noutra grande sacada técnica, sai Fernandinho e entra Ramirez. Mais uma vez alho por cebola e o Chile segue gostando cada vez mais do jogo.

Na prorrogação, a única vantagem brasileira é o preparo físico.
Não é suficiente, o Chile espera pelos pênaltis e carimba a trave no finzinho.

Nos pênaltis Júlio César salva a pátria - de novo.
E achei o Hulk o melhor (ou o menos ruim) em campo pelo Brasil.

Desse jeito, tá feia a coisa. Como diz um grande amigo distante, “Pra ficar ruim tem que melhorar muito!”.



sexta-feira, 27 de junho de 2014

CHUTÔMETRO

 
Não acerto nem caroço de azeitona em janela aberta.
Mas, é irresistível.

Opção I – A Razoável

Brasil passa pelo Chile e pega a Colômbia;
França passa pela Nigéria e pega a Alemanha;
Holanda passa pelo México e pega a Costa Rica;
Argentina passa pela Suíça e pega os Estados Unidos.


Opção II – A Quebra Banca

Chile passa pelo Brasil e pega o Uruguai;
Nigéria passa pela França e pega a Argélia;
México passa pela Holanda e pega a Grécia;
Suíça passa pela Argentina e pega a Bélgica.

À SOMBRA DOS COMENTARISTAS

 
Fazendo a diagonal, o cidadão, que caminhava na calçada oposta, reencontrou o equilíbrio e tocou a campainha.
O adversário, mesmo marcando sob pressão, não evitou a ascensão do volante.

Ainda no período de estudos ele começou falando sobre os aspectos psicológicos e motivacionais do choro na dose de uísque, quer dizer, na emoção profunda durante o hino.
Ameaçou cantar a capella mas, com três volantes de contenção, o adversário impediu a evolução organizada do ataque.

Com a intenção de surpreender logo nos primeiros minutos, ele avançou, foi bloqueado e se enroscou com o adversário.
Com falta - segundo o analista de arbitragem. No que foi imediatamente contestado pelo comentarista que alegou ser este um esporte de contato.

O juiz, disposto a controlar o jogo desde o início, optou por mostrar cartão amarelo aos dois. Decisão contestada por todos uma vez que não se sabe como irá se desenvolver esse embate histórico e estes cartões podem influenciar no resultado final do jogo.
Ambos, demonstrando haver uma briga engarrafada desde outros carnavais, se cumprimentam e retornam à peleja.

Ele, apoiado pela torcida e querendo fazer valer sua superioridade técnica, resolve propor o jogo:
-“Ach’qui é um momento único, ach’qui estou muito feliz de poder representar o meu país, o grupo está focado... blrfghssjhsh...”

O adversário, mostrando melhor preparo físico e marcando atrás da linha da bola, rebate com seus profundos conhecimentos de estatísticas estapafúrdias:
-“Há 1.451 dias atrás o senhor chegou nesse estado por causa do Sneijder. E em 2006, por causa do Henry. Já está ensaiando?”

-“Quêisss??? 'Tamos caminhando passapasss!!! Virésssabocapralá!!!”

Comentários finais dos analistas:
-Demonstra confiança, mas ainda falta muito. Precisa melhorar os fundamentos, trocar algumas peças que não estão correspondendo.

É preciso também um pouco mais de visão de jogo por parte da linha média, variar do 4-2-3-1 para o 3-3-3-1.

Penso também que entrar cantando o hino a capella mostra que ainda é preciso um maior amadurecimento. Esse amadurecimento pode acontecer no decorrer do torneio mas, é importante lembrar que são poucos jogos.

É importante a união do grupo, que não sabemos se está acontecendo. Aliás, eu soube de fonte segura, que ontem eles se desentenderam sobre o pagode que iriam cantar no ônibus. Um queria em mi menor e outro em sol maior. É mais um trabalho para a psicóloga que tem todo o apoio do técnico.

Favorito, é claro que é. Quem sou eu pra discordar. Mas o adversário é perigoso e, como todo mundo, conhece bem as táticas que estão sendo utilizadas. Insisto: ele - precisa - de treinos - fecha-dos...

A COPA É UMA DROGA

 
(Republico esse texto escrito na Copa de 2010 porque não tem jeito: mais do que nunca, continua valendo.)

A Copa é uma droga, a FIFA é sua traficante mais poderosa e a mídia se encarrega da distribuição.
Se não, vejamos: de cara, uma overdose para te deixar chapadão - 48 jogos em 15 dias.

Depois de instalado o vício, mais 8 jogos em 4 dias, aumentando a ansiedade pelo consumo.

Aí, estratégia manjadíssima, te sonegam a coisa durante intermináveis 2 dias durante os quais você fica meio zumbizando, imaginando jogadas, escalações e dizendo pra si mesmo que isso é bobagem, você larga quando quiser, etc, etc.

Triste engano. Você já dançou.
Já não importa se o Zé das Couves vai jogar, se o Brasil vai passar de fase ou se você vai acertar a aposta com o porteiro.
Só importa que você precisa de jogo!

Quando acabar, vencendo ou não, você vai achar o campeonato brasileiro uma bosta, vai achar que os times são ridículos, os estádios são decrépitos, a torcida é feia pra cacete, os jogos estão sempre vazios e sem emoção e que bom mesmo é o curling.

Errou de novo.
Em menos de uma semana você já vai se pilhar acompanhando Coritiba X Figueirense nesse brasileirinho que... Quer saber?
Até que pode ficar bom!

COPA DAS MARCAS - 2

Ao final da fase de grupos, proporcionalmente
- número de patrocinados X pontos conquistados -
a Adidas segue liderando.

Burrda = 100% (Bélgica)

Lotto = 78% (Costa Rica)

Adidas = 56% (México, Espanha, Colômbia, Japão, Argentina , Nigéria, Alemanha, Rússia, Bósnia)

Nike = 44% (Brasil, Croácia, Holanda, Austrália, Grécia, Inglaterra, França, Portugal, EUA, Coréia do Sul)

Marathon = 44% (Equador)

Puma = 40% (Camarões, Chile, Costa do Marfim, Uruguai, Itália, Suíça, Gana, Argélia)

Uhlsport = 11% (Irã)

Joma = 11% (Honduras)

Restam no jogo:
Adidas – México, Colômbia, Argentina, Nigéria, Alemanha
Nike – Brasil, Holanda, Grécia, França, EUA
Puma – Chile, Uruguai, Suíça, Argélia
Lotto – Costa Rica
Burrda – Suíça

quinta-feira, 26 de junho de 2014

GRUPO H

A Argélia começou a Copa complicando o jogo contra a Bélgica, mas perdeu bestamente. Em seguida mandou um 4 a 2 na Coréia do Sul.
Foi o suficiente para os carentes de assunto darem início à ladainha: “Olha a Argééélia...”
Na última rodada o novo perigo oculto, que só-os-iniciados percebem, precisa vencer a Rússia que é brindada com narizes torcidos e expressões de desprezo dos “istas” de plantão.

Da mesma forma, a Bééélgica é fava contada.

Aí, começam os jogos.

Com a torcida contra (certamente por causa do horrível perigo comunista que anda rondando nosso país), a Rússia faz logo 1 a 0.

A Argééélia parece cachorrinho correndo atrás de carro; é só parar o veículo que ele abana o rabo e fica sem saber o que fazer. Eles trocam passes, lançam, fazem bonito, chegam na área colecionam bobeiras e perdem a bola.

No segundo tempo a Argélia acha um gol em mais uma falha do Akinfeev. Não um frangão como no primeiro jogo mas, saiu errado do gol e Slimani fez de cabeça.

No outro jogo, a Bééélgica deveria estar passeando, mostrando toda a sua classe e enfileirando gols. O primeiro tempo termina OXO e ruinzinho.
Os “istas” continuam a fazer previsões sobre o caminho belga até as semi finais...

No segundo tempo, Vertonghen pega um rebote e faz 1 a 0 Bélgica.

E só pra sacanear as minhas implicâncias, Bééélgica e Argééélia se classificam. Uma partida históóórica para os argelinos que passam de fase pela primeira vez em quatro participações.


GRUPO G

Camarões, até então solitário na onda de vexames africanos na Copa, foi prontamente socorrido por Gana.

“Muntari e Boateng, dois dos principais jogadores de Gana, foram afastados do grupo e estão fora da Copa do Mundo.
Muntari atacou fisicamente um membro do comitê executivo da GFA.
Já Boateng, por sua vez, insultou verbalmente o técnico Kwesi Appiah. Ambos já não enfrentam Portugal, nesta quinta-feira, em Brasília, às 13h.

A situação no elenco africano é delicada. Por falta de pagamento da premiação por uma vaga no Mundial, alguns atletas ameaçaram uma greve e, inclusive, ficaram sem treinar na última terça-feira. Foi preciso, na noite desta quarta, uma comitiva da Associação Ganesa de Futebol desembarcar em Brasília e efetuar o pagamento em dinheiro vivo.”

“Por volta das 20h, uma comitiva enviada do país africano com o dinheiro atrasado desembarcou em Brasília, onde o time enfrenta Portugal nesta quinta-feira. Com escolta policial, os responsáveis pelo transporte dos valores seguiram direto para o hotel em que o time está hospedado. Segundo a Agência France Press, a premiação gira em torno de US$ 3 milhões (aproximadamente R$ 6,7 milhões).
Pouco depois da chegada da comitiva, os jogadores começaram a se dirigir até um dos quartos do hotel para retirarem o dinheiro devido pela federação. Alguns guardavam a quantia nos bolsos ou enrolavam em peças de roupa. Outros saíam com o maço de notas na mão. A estimativa é de que a premiação de cada atleta seja de US$ 100 mil.”

Nesse grupo onde, na última rodada, os quatro times têm chances de classificação, zapear é fundamental.

Aos 31 do primeiro tempo, Boye - zagueiro de Gana faz contra e Portugal ainda respira.
(Neymar e Messi dividem a artilharia com o Gol Contra: 4 para cada.)

No outro jogo a Alemanha, trajando o uniforme mais bonito da Copa, vai empatando com os EUA num jogo que, apesar do empate servir para os dois, de compadre não tem nada.

Início do segundo tempo, Thomas Müller faz 1 a 0 para a Alemanha, vai a 4 na artilharia, os portugueses vibram, mas por pouco tempo. Gana empata o jogo e fica a um gol de se classificar.

Aos 35, Portugal volta a ficar na frente com o Gajo marcando. Mas, já é tarde e ainda faltam 3 gols para Portugal se classificar.

No final das contas deu Alemanha e EUA seguindo em frente e Portugal e Gana seguindo pra casa.


quarta-feira, 25 de junho de 2014

GRUPO E

 
A televisão abre França X Equador com uma imagem aérea parecida com essa aí em cima: “Criiis-to-Re-den-toor, bra-çosaber-tos sobre a Gua-na-baaa-ra...”, com o Maracanã lá embaixo.
Imagem que, de tão espetacular, gera dúvidas de qual seria o melhor lugar para estar.
(Embora a resposta seja óbvia: na frente da TV com cerveja gelada, tira gosto e cigarro sem patrulhamento.)

Benzema, atacante da seleção francesa e do Real Madrid, de ascendência argelina, branquim, bunitim, riquim, não canta e nem aplaude o hino francês em protesto contra a xenofobia reinante na França.

Lembrando: “O protesto de Benzema ganhou o centro do debate político no ano passado, quando Jean Marie Le Pen, o presidente de honra do partido ultraconservador Frente Nacional, sugeriu que ele não fosse mais convocado por não cantar o hino. Le Pen, em sua fúria contra aqueles que não considera ‘os verdadeiros franceses’, é o mesmo que exigira, em 1998, que não fossem convocados à seleção jogadores negros ou de origem árabe."

Fico imaginando o que pensa Mavuba, seu companheiro de seleção, meio de campo do Lille: pretim, feim, pobrim, nascido em águas internacionais quando seus pais buscavam refúgio da Guerra Civil Angolana.

E o jogo foi só um joguinho OXO que melhorou um pouquinho no segundo tempo.
O outro, Suíça 3 X 0 Honduras, não pode ter sido pior. Mas, como essa Copa não está permitindo zapeamento, dancei na escolha.

Obs.: o Noboa machucou a cabeça e voltou com um protetor de garrafa de espumante, com direito a nó no cocoruto. Será que a Marathon, fornecedora do material do Equador, não tem uma toquinha “féxon”?



GRUPO F - A MADRE TEREZA DA ARGENTINA

 
Pelos relatos empolgados dos repórteres em Porto Alegre, parece que na Argentina só ficaram poucos garçons do Café Tortoni servindo alguns saudosos contemporâneos de Jorge Luis Borges.

4 minutos de jogo, 1 a 1.
Depois de um lançamento perfeito de Mascherano, Di Maria bate e Messi fuzila no rebote.
A Nigéria dá a saída e Musa, na esquerda da área, acerta um tirambaço de pé direito para empatar.

Claro que depois desse início frenético o jogo ficou mais trancadinho. Mas, continuou muito bom como a maioria tem sido nessa Copa impressionante.

Tanto que, aos 43, Messi bate uma falta no ângulo e o Enyeama faz uma defesa espetacular. Para azar dele, três minutos depois outra falta quase no mesmo lugar, Messi, já bem ensaiado, põe pra dentro. Argentina 2 a 1.

Pra arrepiar, Musa, aos 2 minutos do segundo tempo passeia no meio da defesa argentina (para delírio dos “istas”) e empata o jogo.
Num quase replay do início do primeiro tempo, aos 5, depois de um corner, Rojo faz 3 a 2 para a Argentina.

No outro jogo do grupo a Bósnia vai vencendo o Irã e classificando argentinos e nigerianos. O que proporciona closes de momentos bem humorados entre Messi e o goleiro Enyeama.

Aos 34, Di Maria põe a bola na cabeça do Garay (véi) que desperdiça a chance de matar o jogo.

Corre pelo campo todo sem parar, marca, desarma, arma, bate corner, lança, só chuta a gol se não tiver um companheiro em melhor condição e quando chuta é um perigo: Di Maria já tem cadeira cativa ao lado da Madre de Calcutá.


EM PLENA FORMA

 
 
Chargistas, como jogadores de futebol, às vezes estão em forma às vezes não.
Alguns, como o Duke, são craques. E mesmo quando sofrem entradas desleais logo se recuperam e seguem batendo um bolão.

terça-feira, 24 de junho de 2014

GRUPO C

 
A Colômbia já classificada, jogando com time reserva, faz 1 a 0 no Japão e fica de nhém-nhém-nhém em campo.
Esquisito que jogadores reservas, em vez de “darem tudo de si” para complicar a vida do técnico, subam no salto alto.
Aí, no último lance do primeiro tempo, o Japão empata.

No outro jogo, Drogba e seus “green caps” tomam de 1 a 0 para a Grécia.

Imagino eu que devidamente esculhambados pelo José Pekerman, os colombianos voltam com mais vontade e, aos 10 do segundo tempo, Jackson Martínez normaliza as coisas, volta a marcar aos 38 e Rodríguez fecha a conta aos 44.

Bony, aos 28 do segundo tempo empata para a Costa do Marfim.
No último minuto, pênalti para a Grécia. Samaras bate firme, classifica a Grécia, faz o ridículo coraçãozinho e em Atenas os donos de boteco vão à loucura. Vai longe a madrugada ateniense.


Nas oitavas a Grécia encara a Costa Rica num jogo que, apesar da chatura do desempenho grego, nenhum resultado não será surpresa.

Colômbia e Uruguai tem tudo pra ser mais um jogão - mas, acho que dá Uruguai. Mesmo se “vampirito” Suárez ficar de fora por causa da mordida em Chiellini.

 

GRUPO D

 
Como esse blog, entre outras qualidades, se caracteriza por não ser machista, prestamos uma singela homenagem às musas consoladoras dos valorosos “azzurri”.
Na foto as mulheres / namoradas / companheiras / seja lá o que forem de: Cerci, Abate, Balotelli, Insigne e Immobile.

Precisando de um empate pra seguir em frente, o jogo parece ser sob medida para a Itália que estamos acostumados a ver.
Começa o jogo e estou pronto pra admirar Pirlo, Suárez, Balotelli, Cavani, mas quem aparece deitando e rolando é Verratti.

Primeiro tempo pau a pau, jogo nervosão, uma grande chance para o Uruguai que parou em Buffon-5 Copas. Resta saber se no segundo tempo os times vão aguentar correr como correram.
(25 graus em Natal, os nativos se agasalham, mas para italianos e uruguaios, pode ser algo próximo de uma sauna.)

Aos 14 do segundo tempo Marchisio é expulso, o Uruguai incorpora o espírito de Obdulio Varela e parte pra cima.
(Perdão, leitores. Por influência da televisão, fui acometido por um breve surto de LuCoCoFut – Lugares Comuns de Comentários de Futebol.)

Aos 34 Suárez morde (literalmente) o ombro de Chiellini, o juiz não vê e logo depois Gaston Ramírez bate um escanteio para Godín marcar de ombro (ou de costas?) o gol Uruguaio.
Comentário definitivo, ao vivo na ESPN, do Loco Abreu ao final do jogo: “Los uruguaios son foda mesmo!”


No outro jogo do grupo, Costa Rica e Inglaterra, OXO.
Aguardo comentários de um grande amigo que, acreditando nos ingleses, errou na compra de ingressos e foi assistir ao vivo.
Obs.: Na foto, podemos constatar o poder de um bom conceito publicitário.
Em qualquer língua e em qualquer situação.

 
 
 
 

segunda-feira, 23 de junho de 2014

GRUPO A

Depois de um primeiro tempo com a avenida Daniel Alves liberada para o trânsito, as jogadas brasileiras geradas por esticões de David Luiz e a Neymar-dependência, sai Paulinho e entra o Fernandinho que faz o time jogar mais como deve ser.

Aos 25 do segundo tempo Felipão, acertadamente, coloca o Willian no lugar do Neymar - pendurado com um cartão amarelo e com dois gols que lhe dão a artilharia da Copa.

Fred faz um gol tranquilizante para ele e para o time. Fernandinho, tal e qual esperávamos do Paulinho, fecha a conta e, espero, garante seu lugar daqui pra frente.

Óbvio, todos os "istas" vão falar da fragilidade de Camarões.
Como é de praxe, se o Brasil ganha de 1 a 0: "Que merda! Só 1 a 0 nesse timinho!".
O Brasil faz 4 a 1 e: "Que merda! Tomamos um gol desse timinho!"

E all in que, em 30 segundos, teremos profundas análises sobre o perigo horroroso que os chilenos representam, pois variam sua tática entre o 3-3-1-3, 4-1-3-2 mais todos os arranjos possíveis e sobre como o Brasil deverá se precaver desta ameaça à segurança nacional.

Seguidas pelas inúteis e escabrosas estatísticas e informações fundamentais no estilo “A única vez que o Chile fez um gol de falta aos 12 minutos contra o Brasil foi em 1953 num amistoso em Helsinqui e blfghsstrgh...” além do hit do momento: as profundas reflexões sobre o papel da psicóloga na recuperação do estado emocional da panturrilha do Hulk e se hoje a ausência de choro dos jogadores durante o hino foi importante no desempenho da equipe.

E lá vamos nós contra o Ch-Chi-Chi-Le-Le-Le - junto com os argentinos - os reis da arquibancada até agora.

No outro jogo o México fatura a Croácia, a segunda colocação do grupo e vai encarar a Holanda.

Depois de um "abre-alas" da melhor qualidade, com inúmeros grandes jogos, começa, pra valer, essa Copa cuja, em continuando assim, indiscutivelmente vai ser uma das melhores da história.

 

GRUPO B

Entre os novos estádios, pasteurizados no tal do padrão FIFA, acho o Itaquerão o mais feio de todos.
Mas hoje, colorido em vermelho e laranja por chilenos e holandeses, foi de encher os olhos.

O mesmo não achei sobre o jogo. Muito disputado, como era de se esperar, acabou caminhando para aquele tipo de se resolve no finzinho, mas que no decorrer é só correria sem objetivo, muitas faltas e fica até meio sonolento.

Um gol de côco de Leroy Fer e, nos acréscimos, um bolão de Robben para Depay dão a primeira colocação do grupo para a Holanda.




Pelo que ouvi dizer, Espanha e Austrália fizeram um jogo até melhorzinho do que o principal.
A Espanha faz 3 a 0, se despede com vitória e com a bonita homenagem do torcedor da foto.






 

domingo, 22 de junho de 2014

ESTARIA A RENASCER?

 
Derretendo em Manaus, Estados Unidos e Portugal fazem um jogo cadenciado, mas bom.
Logo aos 5 minutos, segundo o “Jogo ao Minuto” do Público de Lisboa, “Golo! USA 0, Portugal 1. Nani (Portugal) remate com o pé direito do lado direito da pequena área acertando no centro da baliza.”

Aos 43, “oportunidade falhada por Cristiano Ronaldo (Portugal) remate com o pé direito de fora da área de livre directo”.
Traduzindo, o Gajo bateu uma falta e mandou na arquibancada.

Aliás, dos 91 gols marcados em 32 jogos, só 1 (hum) foi de falta: Dzemaili da Suíça contra a França. Culpa da bola?

Aos 18 do segundo tempo, após “pontapé de canto concedido por Ricardo Costa”, Jermaine Jones fuzila o canto esquerdo de Beto e empata.

Aos 36, “Broken Nose” Dempsey, com um gol de barriga, sugere que Cristiano Ronaldo e seus coadjuvantes façam as malas.

Mas, no último minuto o Gajo coloca na cabeça de Varela que empata o jogo e faz com que os lusos voltem a respirar.
Por aparelhos, mas respiram.
E, do jeito que anda esta Copa, é melhor não duvidar de nada.