sábado, 29 de outubro de 2016

QUE GRAÇA TERIA...

... Essa nossa vidinha sem os adoráveis
pré-conceitos que tanto nos facilitam os julgamentos do dia a dia?

Se não, vejamos:

Você, delicada leitora, na flor de seus 25/30 anos, bonita, moderna, charmosa, ativa, entra no banco e, toc-toc-toc, se dirige à fila do caixa eletrônico.
Quando chega sua vez, vai pegar o cartão que está na carteira que está no bolso secreto da bolsa, se atrapalha e deixa cair tudo no chão.

Imediatamente gentis cavalheiros sorridentes te acodem
e, compreensivos, te lançam olhares de cobiça.

Você conclui que seu jeitinho estabanado até que funciona.

Quarenta anos mais tarde a cena se repete.
Só que agora você, tec-tec-tec, está na cara do gol, pois idosa tem preferência, vai pegar o cartão, etc, etc.

Imediatamente gentis cavalheiros sorridentes te acodem e, compreensivos, trocam olhares entre si com expressões de "coitadinha-tá-gagá".

Você conclui que esses caras são uns escrotos, mas você precisa ficar mais atenta pra não dar essas bandeiras.

Outra:

Você, delicada leitora, na flor de seus etc, etc, acorda cedo, coloca seu biquíni e vai andar na praia. De bem com a vida, contempla o espetáculo matinal que te é ofertado e, agradecida, caminha com os braços abertos, olhos semicerrados e respiração profunda entranhando toda a maravilha a seu redor.

Eu venho passando, te vejo nesse momento especial e admiro sua beleza, seu desprendimento y otras cositas más.
Você nem me vê.

Quarenta anos depois a cena se repete.

Eu venho passando, te vejo nesse momento especial e sou atacado por um turbilhão de pensamentos: "Sai, riponga véia!", "Tadinha!", "É bom ver que tem gente que não tem vergonha de nada!",
"Aiaiai! Essa veínha vai acabar tropeçando!".
Você me vê, entende a minha expressão, me acha um escroto?
Bom pra você!

Quer mais?
Para um pouquinho pra pensar e, com certeza, você vai 'tropeçar' num monte de exemplos.

Cartas para a redação.

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

ARREPIANTE

Sempre achei o Phil Collins meio arroz de festa, com cara de ortopedista moderninho.

Mas, "In the Air Tonight" perdoa tudo e ainda dá vantagem ao cidadão.

Nesse vídeo ele leva os tradicionais 3 minutos e 25 segundos para dar uma das viradas mais empolgantes que já escutei.

No original era ele o baterista.
Aqui, é o negão simpaticão que arrebenta e é louvado ao final quando a empolgação do Jimmy Fallon também me pareceu sincera.

Ou eu empolguei?


AINDA RESTA ESPERANÇA



No emaranhado de inacreditáveis imbecilidades embaladas por "kkk's", "grrr's", "tiamuuu" e tantas outras manifestações idiotas em que navegamos hoje em dia, aparece a Ana Júlia Ribeiro, paranaense de 16 anos que dá uma aula de cidadania aos pseudo representantes do povo.



terça-feira, 25 de outubro de 2016

PARA PREFEITO, SEU GERALDO!

Em Belo Horizonte, hilário cenário:

Kalil (ex-presidente do Atlético) e João Leite (ex-goleiro do Atlético), disputam a prefeitura.

Seu Geraldo era funcionário do Kalil,
foi lesado por ele e, consequentemente, explorado pelo João Leite nos profundos
e empolgantes debates políticos.

Em outros tempos tava arriscado a torcida do Cruzeiro fazer do
Seu Geraldo o Cacareco de BH.
(Manja Cacareco, vetusto leitor?)

domingo, 23 de outubro de 2016

MEU NOME É TRABALHO!

Como os milhares e milhares de leitores certamente não notaram, estou sem atualizar a um bom tempo.
É que nesse período todo o tempo livre foi utilizado na produção das telas dessa espetacular, estonteante e inédita promoção.

Breve as abobrinhas estarão de volta.



segunda-feira, 17 de outubro de 2016

QUEM? QUEM?? QUEM???


Tenho três cenas inesquecíveis registradas na retina:

3a.: A Golden Gate iluminada por um "golden" por do sol.
2a.: Quéops, Quéfren e Miquerinos iluminadas pelo sol da manhã.
1a.: A Lua que vi nascer agorinha na minha frente banhando o mar com cores indescritíveis.
Monstruosa, maravilhosa, majestosa, portentosa, vermelha depois dourada e muito mais do que posso adjetivar.

Dito isto, olhando pro céu, vem a pergunta que não quer calar:
-Quem foi o fiadaputa que montou esses cenários?

Resposta imediata e redundante: Deus.
Aquele cara onipotente, onipresente, onisciente e tantos outros "onis" quantos sejam necessários para não explicar nada.

Com todo respeito às incontáveis seitas, religiões e afins que se multiplicam a cada 15 minutos, até concordo que a nossa pobre razão só indique essa saída. 
Mas, justamente por reconhecer que nossa capacidade de entendimento do universo não vai além da página dois, me recuso a aceitar essa ideia de "oni-bondoso", "oni-atento" e tantas outras.

Pra mim, Ele existe. Ponto.
Daí que Ele esteja preocupado, atento, cuidando de todos os seres vivos desse planetinha sub-treco do vice-troço em que habitamos, vai uma distância galáctica.

E, pior, caso essa atenção exista, só me prova que Ele não passa de um grande sádico cujo, quando não tem mais o que fazer, se diverte com esses brinquedinhos estranhos que, num momento de tédio, resolveu inventar.
Vírgula porra!

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

TESTEZINHO PORRETA!


Sakamoto-san é bom de bola. Mesmo!


Teste: Há um político que deveria apanhar no Brasil?

Leonardo Sakamoto
14/10/2016 12:49

O ex-deputado federal Eduardo Cunha foi agredido fisicamente no aeroporto Santos Dumont. Ele não foi o primeiro e nem será o último político ou figura pública a sofrer esse tipo de ataque. Não tenho nenhuma simpatia por ele, pelo contrário, como pode ser visto pelos textos do blog, mas achei fascinante que muita gente afirmou, categoricamente, que ele merecia apanhar.
Não existe opinião pública. O que há são opiniões individuais de mais de 200 milhões de brasileiros, que vêem e pensam as coisas de forma diferente.
Para ajudar no debate, fiz o seguinte teste a fim de entendermos quem somos e para onde vamos afinal.
1) Na frase ''Acho que fulano deveria apanhar para compensar um pouco o mal que fez ao país'', quem é, na sua opinião, o ''fulano''?
a) Eduardo Cunha
b) Michel Temer
c) Lula
d) FHC
e) Dilma

2) ''Fulano deveria ser calado a qualquer custo porque é um risco ao futuro dos nossos filhos.'' Troque ''fulano'' por:
a) Jean Wyllys
b) Jair Bolsonaro
c) Guilherme Boulos
d) Marco Feliciano
e) Kim Kataguiri

3) Em que lugar uma figura pública pode ser agredida fisicamente?
a) Em um restaurante
b) Em um hospital acompanhando a esposa em um tratamento de câncer
c) Em um aeroporto
d) Em um estacionamento
e) Em um shopping center

4) Do que uma mulher que ocupa um cargo público pode ser chamada?
a) Vadia
b) Vaca
c) Vagabunda
d) Piranha
e) Ordinária

5) Quem pode dizer o que um jornal deve ou não publicar?
a) Um juiz
b) Um parlamentar
c) Um presidente
d) Um padre ou pastor
e) O povo

Resposta:
Se você não quis apontar nenhuma alternativa porque achou todas um completo absurdo, parabéns. Independentemente de sua orientação ideológica, consegue manter a calma e a sanidade mental em tempos de retrocesso dos direitos fundamentais e liberdades individuais.
Sabe que há uma diferença entre vaiar um político exercendo seu mandato e expulsa-lo de um hospital ou agredi-lo fisicamente.
E sabe que a partir do momento em que cada pessoa, baseada em suas convicções pessoais, decide ser juiz e carrasco, a sociedade – que já vai mal – entra em colapso.
Você, que ficou feliz com a agressão a Cunha:
E se fosse com alguém que você respeita ou considera honesto (apesar de outras pessoas discordarem)?
Acharia injusto?

Então diga lá, honesto leitor: nas suas respostas às (pelo menos) duas primeiras questões você não teve reações imediatas?

Eu tive. E é aí que mora o perigo.
Mais do que nunca, temos que ler, ponderar, desconfiar e procurar, bem lá no fundo de nossas lembranças, o que nos foi ensinado sobre moral, bons costumes, justiça, etc e tal.

MIMIMI


O presidente do Fluminense, Peter Siemsen, afirmou após derrota para o Flamengo que recorrerá à justiça desportiva para anular o duelo desta quinta-feira, em Volta Redonda. 

Tri no tapetão, esse timinho de ácaros não se manca mesmo!
(Já se especula a possível substituição do atual presidente ácaro
por Gilmar Mendes ou coisa parecida.)

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

terça-feira, 11 de outubro de 2016

GRANDES AVANÇOS DA HUMANIDADE


O mundo gira e a Lusitana roda, já dizia o quase centenário slogan.

E assim, velozes que somos, já demos a volta e chegamos aos nossos antepassados das cavernas.
Cujos, segundo os "istas" (que surgiram uns quinze minutos depois que o primata se apoiou nas pernas), se comunicavam por grunhidos e inscrições nas paredes.

E o que fazemos hoje? Hein? Hein?
Hmmm! Grrr! Ha Ha Ha! Uau! Bjs! Abs!
Grunhidos digitais acompanhados de inscrições rudimentares displicentemente jogadas nas paredes das redes sociais.

Tudo correndo bem, em mais alguns milhares de anos conseguiremos voltar a nos comunicar - por telepatia ou algo no gênero - trocando ideias através de frases ou pensamentos minimamente concatenados e que tenham a profundidade maior do que um pires.

Avante Humanos!

domingo, 9 de outubro de 2016

SETENTÕES IMPRESSIONANTES


Paul McCartney (74) e Neil Young (quase 71) somam 145 anos de doidera da melhor qualidade.

Como podemos comprovar no vídeo abaixo gravado no Desert Trip.
Um concerto que acontece na California e pretende ser um Woodstock dos tempos atuais. Claro, com toda a infra, hotel, estacionamento, wi-fi para a plateia poder fazer suas selfies em vez de aproveitar os shows, e muito mais das babaquices pseudo jovens.

Obs.: me pareceu que o Neil Young estava se divertindo bem mais do que o anfitrião.

sábado, 8 de outubro de 2016

DISCOVERY JP

Meio da tarde, chego na varanda
e sou premiado com um documentário Discovery ao vivo. (Sorry, periferia...)

Na minha frente, está o Chapolin Colorado da fauna avícola:
a Garça!
Todos os seus movimentos são cui-da-do-sa-men-te calculados.

E tome de levanta/encolhe pescoço (tal e qual um periscópio), estica para frente, abaixa, recua, faz "S", tudo num ritmo alucinantemente len-to e pre-ci-so.

Vaidosa, fica imóvel enquanto um cidadão se farta de fotografá-la em vários mesmos ângulos. Com a partida do fã, ela volta a seus afazeres: cuidar do ajantarado.

Voltam as evoluções pescoçais e agora ela caminha pé ante pé, no meio do mato. Lá pelas tantas dá um pulinho e começa a rebolar!
Pronto. Ou pirou ou está cagando ou está se masturbando nas folhas tenras. 

Ansioso, corro para pegar uma cerveja, volto e ela ainda está rebolando. Segue o baile, depois de um bom tempo ela para o rebolado e, numa fração de segundo, se joga de lado no chão enrolando o pescoço na captura de um calango com o longo bico.

Aí é que fui entender: o pulinho foi pra pegar e o rebolado pra segurar e enfraquecer o calango com as patas! Criatura diabólica.

Ela sai andando com metade do calango ainda pra fora do bico e alguns banhistas vem passando. Quando a proximidade incomoda ela dá um voo rasante lindão e vai taxiar numa região mais aconchegante.

Acaba a refeição e fico aguardando a decolagem final. Em vão.

A insaciável volta a caminhar no meio do mato. Tudo de novo.
Levanta, abaixa, estica, encolhe e descubro mais uma: quando ela levanta o pescoção é pra ter uma visão detalhada do que acontece. Numa levantada dessas, após ficar estática durante mais de minuto, ela, em outra fração de segundo, mete o bico no meio do mato e sai com outra presa não identificada.

A cerveja acaba e deixo a predadora implacável continuar sua saga.

(E depois ainda tem gente que não entende porquê não troco minha varanda nem de "garça". [Perdão, leitores.])

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

ENJOADO...


Hoje, 7 de outubro de 2016, é o terceiro Royal de Ouros desde o dia 7 de janeiro de 2013.

(Pra quem gosta, é mais uma prova que o 'cheirinho do hepta' está forte.)

E desta vez foi mais gostoso: o royal acontecendo logo no início, jogo correndo bem, cheguei em 7o. num torneio com 45 jogadores, percebendo a fabulosa soma de 36 centavos de dólar.

Sou feliz.
Todos os meus pobrema se acabaram-se!

Tentando falar sério, o poker está evoluindo geometricamente no número de praticantes mundo afora.
Os top players adoram falar em 'esporte da mente' e afins.
Também fazem questão de tentar isolar o fator sorte.
Preferem usar um eufemismo besta: variância.

Com todo respeito, variância é o cacete! Como dizia Nelson Rodrigues, sem sorte Jesus teria morrido de sarampo.

Mas, não importa.
O jogo é ótimo pra quem tem sorte e muuuita paciência.
Concordam, amigos viciados?

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

DATA HISTÓÓÓRICA!


Dois anos de JP e pela primeira vez (!) acontece aqui um ganhador de um prêmio razoável na loteria.
Na lotofácil, um felizardo local botou no bolso hoje um pouco mais de 670 mil reais.

"Botou no bolso hoje", até a página dois.
Porque ele ainda vai ter que esperar o final da greve dos bancos pra realmente botar a mão na bufunfa.

E, pensando bem, que agonia, hein?
Você agarrado num pedacinho de papel que pode, dependendo de sua realidade, resolver a sua vida material, aguardando acontecimentos que fruto da podridão do sistema, regem sua vida financeira.

Devia ser passível de processo por danos emocionais, entre outros.

Em tempo: 
Antes que vocês pensem besteira... É claro que não fui eu!
(Ou vocês acham que eu seria besta de dar essa bandeira?)

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Ô INVEJA!

Eduarda Henklein, 6 anos, de Joinville, filha de músicos (claro!), ganhou uma bateria de brinquedo com 1 ano de idade e não ligou muito.

Aos 4, "destruiu" o brinquedo com tanta qualidade que os pais compraram uma de verdade adaptada para seu tamanho.

Daí...


sábado, 1 de outubro de 2016

MY NAME IS BOND, JAMES BOND

Hoje à tarde, em conversa com um amigo, passamos à combinação do encontro na praia de amanhã.

Tarefa complexa que envolve o horário da maré e o tempo de permanência na sucursal do paraíso combinados com o horário da obrigação cívica do voto.

Depois de profundas reflexões (uma vez que somos intelectuais e, como todos sabem, nós intelectuais não pensamos como os simples mortais - nós refletimos profundamente sobre qualquer coisa), chegamos à conclusão que o mais viável será o horário de 9h.

Aí o cidadão me sai com essa: -"Vamos sincronizar nossos relógios"!

Certamente o entediado leitor não está achando a menor graça, mas eu me escangalhei de rir imaginando um filme de espionagem denso, cheio de emoção e suspense, ambientado na orla mais bonita do planeta, recheado de inocentes e gordas criaturas cavando piscininhas na areia para que seus bacuris fiquem a salvo do traiçoeiro oceano que derrama, seguidamente, perigosíssimas ondas de quinze centímetros que transportam vilões indescritíveis e ameaçadores da paz mundial.

Êêê sabadão...!