terça-feira, 30 de abril de 2013

PRAZER INENARRÁVEL


Cancelei a NET.

Foram longos minutos de alegria ouvindo pérolas que começam no atendimento automático: 
-(Voz de máquina) 
Eu vejo o seu número e já podemos começar. Para problemas técnicos tecle 1, para internet tecle 2, ...para cancelamento tecle 7... 
Teclo 7. 

-Desculpe não entendi. (A máquina não entende o cancelamento!) 
Teclo 7. 

-Desculpe, não entendi. Vou estar transferindo para nosso atendente. (A máquina também sofre de gerundismo!)

Seguem-se vários minutos de textos repetidos que devem ter sido escritos por um estagiário de engenharia elétrica que estava de bobeira no corredor.

-(Voz de máquina) Para sua segurança, esta ligação está sendo gravada.
-Pois não, com quem eu falo? 
-Tiago. 

-Qual a sua solicitação? 
-Cancelamento. 

-Qual o nome completo, endereço, CPF, código NET, batistério, certidão de nascimento, comprovante de vacina, número do passaporte? 
Entrego tudo. 

-Pois não, senhor. Essa ligação gerou um número de protocolo.
O senhor deseja anotar? 
-Claro! 

-Zeroumseisoitonovetrêsdoisnoveumtrêsoitosetequatroseisdois.
O senhor deseja transferir para qual endereço? 
-Quero cancelar. Can-ce-lar! 

-Pois não, senhor. Vou estar transferindo o senhor para o departamento que cuida dos cancelamentos. Aguarde só um instante. 

Mais vários minutos de propagandas.
Enquanto isso, muito a propósito, jogo paciência no computador. 

-(Voz de máquina) Para sua segurança, esta ligação está sendo gravada.
-Pois não senhor, com quem eu falo? 
-Tiago. 

-Qual a sua solicitação? 
-Cancelamento. 

-Qual o nome completo, endereço, CPF, código NET, batistério, certidão de nascimento, comprovante de vacina, número do passaporte? 
Entrego tudo. De novo. 

-Pois não, senhor. Essa ligação gerou um número de protocolo.
O senhor deseja anotar? 
-Claro! 

-Zeroumseisoitonovetrêsdoisnoveumtrêsoitosetetrêsoitoseteseiscinco. Qual o endereço da transferência? 
-É can-ce-la-men-to! 

-Sim, senhor. Qual o motivo? 
-Todos e nenhum motivo especial. Quero cancelar o serviço! 

-Senhor, vou estar transferindo o senhor para nosso departamento de promoções e... 
-Não! Eu quero cancelar! Can-ce-lar! 

-Sim, senhor. O serviço estará sendo cancelado. 
-Estará sendo, não! Está cancelado desde esse momento, não é? 

-Sim, senhor. A NET agradece e tenha uma boa tarde. 
-Adeus!

segunda-feira, 29 de abril de 2013

AI! QUE ESTRESSE!


Já escrevi sobre isso aqui: http: //hajamuuitosaco.blogspot.com.br/2009/07/estresse.html

Hoje dei de cara com uma chamada que, por si só, já mostrava o nível de imbecilidade que se seguiria: “37 sinais de que você está estressado”. Pra piorar, emenda com um famigerado “Faça o teste e descubra: você está estressado?”

Puxa, gente! Que utilidade pública, né não?
Claro, lá foi o audaz locutor que vos fala à cata do estresse.

Pra começar os trabalhos a afirmação instigante: “Vivo tenso e não consigo relaxar”.
Seguida das opções “Nunca”, “Às vezes”, “Frequentemente”.
Respiro fundo e passo adiante:  “Sinto variação de humor, principalmente no trabalho”.
Parei.

Porque, com certeza, mais uma idiotice dessas não iria me provocar estresse, mas sim, um desejo incontrolável de adquirir um lança-chamas...

sexta-feira, 26 de abril de 2013

IBN *

Sempre em alta, o IBN não dá trégua...


Amanda Bynes raspa metade da cabeça, após um problema no couro cabeludo. "Este é o meu novo eu. Amo isso."

Junno Andrade acorda inspirado,
publica poesia no facebook e fala
de união mística com Xuxa.

Bruno Gissoni e Yanna Lavigne se beijam no show de Jorge e Matheus em casa noturna do Rio de Janeiro.

Neymar posta foto mostrando a língua ao lado do filho durante a madrugada.

* Índice de Babaquice Nacional

quarta-feira, 24 de abril de 2013

JEREMIAS NÃO BATE CORNER

Talvez pela overdose de futebol, me lembrei dessa música e fui à caça no youtube.
Só achei esse vídeo aí embaixo. Mas, tenho quase certeza que essa música é bastante anterior a esse cidadão Jammil.

Caso algum dos milhares e milhares de leitores desse blog saiba sobre o original, serei eternamente grato.

FUSSBALL IN DER BESTEN QUALITÄT

Borussia  4 X 1 Real Madrid

Ao contrário de seu homônimo data vênia tupiniquim, o Lewandowski é simples e objetivo. E, auxiliado pelo Mario Götze, fez os quatro do Borussia.

Os chucrutes estão deitando e rolando e, a não ser que aconteçam duas hecatombes, depois de darem memoráveis chineladas nos espanhóis, a final vai ser Bayern X Borussia.

Interessante vai ser o Mario Götze jogar essa final contra o time que já o contratou. Enfim, coisas dessa indústria que é o futebol de hoje.

Deprimente é, depois desses dois jogaços, ver a televisão chamando para Brasil X Chile ou, pior, Botafogo X Sobradinho.
E, pior ainda, vai ter quem veja.

Eu, não.

terça-feira, 23 de abril de 2013

QUÊQUÉISSO?

O tanto que esses caras são feios é diretamente proporcional ao quanto eles jogaram bola hoje. Aliás, há já um bom tempo que eles vêm jogando assim.

Menos para o asmático Mauro Cezar – comentarista da ESPN que fala suas obviedades aos arrancos – e cujo tive que aturar para não sofrer de galvãobuenice. (É dura a vida de quem gosta de futebol.)

O cidadão comentarista descobriu hoje que o Robben é um tremendo de um jogador. Pô! Será que ele não assistiu a Copa de 2010? Será que ele ainda não tinha visto o Bayern jogando?

Importante é que o Bayern botou o Barcelona no bolso. Jogaram pracacete, marcaram de forma inacreditável e mereceram a goleada de 4 a 0. Coisa que o Barcelona não sabe o que é desde sei lá quando.

Messi andou em campo (nem suou) e o Shuváinstáiguer comandou o Bayern do início ao fim.
Show de bola.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

POSTERIDADE É ISSO AÍ

Há 90 anos Jimmy Cox (1882 / 1925), compôs essa música.
De lá pra cá ela foi gravada por mais de 60 artistas incluindo Bessie Smith, Count Basie, Liza Minnelli, Alberta Hunter, Tom Jones (?!), B.B.King e até a Carla Bruni.

Um bluesaço com uma letra tristemente verdadeira cuja, espero, nenhum dos milhares e milhares de leitores desse blog já tenha tido
a chance de comprovar:

Nobody knows you
When you're down and out.
In your pocket, not one penny,
And as for friends, you don't have many.

When you get back on your feet again,
Everybody wants to be your long-lost friend.
I said it's strange, without any doubt,
Nobody knows you when you're down and out.


sexta-feira, 19 de abril de 2013

UMA BABAQUICE ÀS SEXTAS


Cientistas põem chips em formigas
e descobrem divisão de funções

Cientistas da Universidade de Lausanne, na Suíça, analisaram formigas da espécie Camponotus fellah e descobriram que em uma mesma colônia, aquelas chamadas de operárias se dividem em três grupos sociais que desempenham funções diferentes: algumas trabalham como enfermeiras da rainha e dos filhotes; outras se ocupam com a limpeza da colônia, enquanto as demais saem em busca de comida.

Pronto: o mundo está salvo.
Doenças, mortalidade infantil, fome, etc, isso tudo se tornou secundário pois agora sabemos que as porras das formigas se dividem em três grupos sociais.
E os caras, aposto, gastam uma nota preta com essa babaquice inacreditável!

Só resta, pela milésima vez, concordar com o Millôr Fernandes
que dizia: “O ser humano é inviável.”

quarta-feira, 17 de abril de 2013

O SEU CAI OU DESPENCA?

O meu despenca.

Desde o início do ano, minhas ligações no celular são múltiplas. Ou seja, eu te ligo e a ligação cai. Você me liga e a ligação cai. Te ligo de novo e a ligação cai.

Que os serviços - internet, celular, TV a cabo, etc - são umas bostas, todos sabemos. Mas, tá ficando demais, né não?

O pior é que, pra variar, vamos acostumando.
Pra quem tem os serviços que temos no Brasil-sil-sil, mais uma, menos uma, já não está fazendo diferença.

E a corja, às gargalhadas, só aguarda a próxima eleição...
Será que nós, os acostumadinhos, vamos continuar indignadinhos mas elegendo os mesmos?
Eu, não.

terça-feira, 16 de abril de 2013

PROFISSÃO PERIGO

Numa googlada muito rápida, temos estas três notícias abaixo.
E, pela charge, podemos constatar que a coisa já está vindo de longe.

Gazeta do Povo – Curitiba
Professores sofrem agressões
Cerca de 4 mil docentes de ensino fundamental disseram ter sido agredidos fisicamente por estudantes dentro de colégios.


Portal Terra
Professores de Belo Horizonte pedem demissão por medo de agressão de alunos
Professores de escolas públicas de Belo Horizonte e região metropolitana da capital mineira estão pedindo demissão por medo da crescente onda de violência que assusta os docentes. Diretores das instituições de ensino não acionam a Polícia Militar por temer represálias de alunos, que cometem delitos e acabam por não serem punidos pelas autoridades.


ISTO É
O que era para ser uma corriqueira entrega de provas virou um bate-boca intimidador seguido de agressão física. Descontente com a nota, a estudante abriu mão dos argumentos acadêmicos para contestar a correção e avançou sobre a professora Christiane Souza Alves durante a aula. “Ela usou xingamentos de baixo calão, veio atrás de mim quando eu saí da sala e me empurrou”, diz Christiane, que, após 13 anos de docência, passou um semestre sendo acompanhada no trajeto da instituição de ensino para sua casa, teve princípio de síndrome do pânico e começou a tomar antidepressivos. Seria mais um triste episódio a engrossar as estatísticas de violência nas salas de aula, não fosse a mudança de cenário.

A economista Christiane é professora universitária, ambiente onde tem aumentado o número de agressões a docentes, do mesmo modo que nas escolas da rede particular de ensino. “Ela gritou: ‘Você é paga para concordar comigo.’”, diz Christiane. A estudante em questão, uma jovem de 20 anos, continua na universidade. Foi apenas proibida de assistir às aulas de Christiane. “A relação professor-aluno acabou”, afirma a professora, que pediu para não identificar a instituição em que teve problemas.


Assisti outro dia o Edgar Flexa Ribeiro, numa entrevista à GloboNews, sobre essa nova lei que estados e municípios têm até 2016 para garantir a oferta a todas as crianças a partir de 4 anos de idade. 
Entre muitas outras coisas, ele disse com uma simplicidade tenebrosa: “Para isso vai ser necessário o preparo de muitos novos professores. Não basta dizer que vai ganhar bem, é preciso que o magistério seja finalmente encarado, divulgado e promovido como uma profissão de extraordinária importância. O professor tem que ser reconhecido pelas lideranças políticas brasileiras como uma autoridade a ser respeitada pelos alunos e pelas famílias.”

Pi-ri-go, hein?
Segundo ele constata, jamais um governo brasileiro, qualquer que seja ou tenha sido, dispensou honras a essa classe que é tratada a pontapés. Jamais, por exemplo, o Dia do Professor (num país que tem até Dia do Picapeiro, que por sinal é hoje) foi louvado como merece.
E por aí afora.

Todos nós já vimos esse diálogo:
-Fulano se formou.
-É? Legal! Formou em quê?
-É professor.
-Tadinho...

E segue o baile da Copa da CBF, dos estádios bilionários, dos escândalos a cada 15 minutos, etc.

domingo, 14 de abril de 2013

DEPENDÊNCIAS

Horror dos horrores, sexta-feira de manhã, computador totalmente travado. Aí, resta chamar a manutenção (ótima por sinal) e aguardar a vida voltar ao normal.

Nesse ínterim (“ínterim” também é ótimo, né não?) tome de televisão.
Meu sumido amigo Mario Jorge sempre implicou com minhas preferências televisivas. Sou fã de Discovery, History Channel, etc. (Dragões de Komodo é comigo mesmo.)

Zapeando nas minhas preferências, dou de cara com um documentário sobre a linha de produção do Mercedes SLS. Coisa de doido com altas e invejáveis tecnologias sempre dependentes do humanóide que, literalmente, assina o motor, por exemplo.
E uma coisa fica muito clara na minha mente conturbada: a importância do parafuso.

De acordo com a Wikipédia, “a origem do parafuso possui algumas versões e uma destas aponta como inventor, o grego Arquitas de Tarento (ou Archytas de Tarentum) por volta de 400 a.C., quando desenvolveu o parafuso para ser utilizado em prensas para a extração de azeite de oliva, bem como, para a produção de vinho.”
Ou seja, já nasceu com nobres propósitos.

Olhe a seu redor e pense bem, atento leitor: o que seria de nós sem o parafuso?

quarta-feira, 10 de abril de 2013

terça-feira, 9 de abril de 2013

ROBÔS

Andando hoje na rua (argh!) parei num sinal e havia três pessoas a meu lado. Todas as três estavam batucando no celular.
Abriu o sinal e todos atravessamos.
Os três continuaram a batucar. Do outro lado vieram mais dois. Um falando (aos berros) e outro olhando pra tela.

Aí comecei a reparar mais. É muita gente fazendo isso. O que esse povo tanto fala, tanto escreve, tanto vê?

Interessante é constatar duas categorias: a primeira é a dos mais avançados que devem ter desenvolvido algum tipo de radar mental porque eles conseguem escrever, andar, desviar, não tropeçam e nem são atropelados!

A segunda é dos que não estão nem aí. Vão andando e você que desvie deles. Fiquei torcendo pra ver pelo menos um “trupicão” mas, infelizmente não fui brindado com tão relevante acontecimento que teria salvo o meu dia.

sábado, 6 de abril de 2013

ANATÉLIO

Final da década de 70, a rádio Cidade arrebentava no Rio.
Entre vários ótimos locutores/apresentadores estava o Eládio Sandoval. Também estava no auge o Peter Frampton com essa música aí embaixo.

Ocorre que o Eládio resolveu que a música era em homenagem a um primo dele, o Anatélio, lá de Cordovil. (Por causa do “wanna tell you I love your way”.)

Infame, mas ótima!

Observação porco-chovinista: pelas imagens do vídeo podemos comprovar que o cidadão (lá na sua época), se não comeu muuita gente foi porque não quis, né não?

quarta-feira, 3 de abril de 2013

TEORIAS

O esporte favorito da humanidade é a teoria. Para qualquer fato criamos teorias estapafúrdias que expliquem nossas ânsias e/ou frustrações em relação a qualquer coisa.

Aí, Bin Laden, missões espaciais, carne do McDonald’s, tudo vira uma grande festa para as criativas mentes que hoje pululam nos fêicibúquis e e-mails da vida.

Fico pensando em figuras como Chico, Caetano, Gil e vários outros que devem ter se divertido muito durante o período da censura. Na medida do possível, é claro.
Como exemplo, segue essa elucidativa historinha contada pelo Gilberto Gil sobre a música Cálice: ele, Gil, teve a ideia do refrão numa sexta-feira santa (Uau! Que inspirado!).
Ligou pro Chico e combinaram de encontrar no apartamento da Lagoa onde morava o Chico. Aí começa a diversão.

“Como beber dessa bebida amarga
Tragar a dor e engolir a labuta?”
(A bebida amarga era Fernet - que o Chico gostava.)

“Esse silêncio todo me atordoa
Atordoado eu permaneço atento
Na arquibancada, pra a qualquer momento
Ver emergir o monstro da lagoa”
(A lagoa era a Rodrigo de Freitas - vista do apartamento.)

Ocorre que nessa época, nos botecos, o papo era recorrente: descobrir mensagens ocultas inseridas em músicas. Desde “Atirei o pau no gato-tô” até “Vou beijar-te agora, não me leve a mal, hoje é carnaval”, descobriam-se coisas incríveis de matar de inveja os teóricos atuais.

Claro, a “bebida amarga” e o “monstro da lagoa” foram temas responsáveis por muito chopp e batatinhas na Fiorentina até o sol nascer.

O atento leitor deve estar concluindo, com certa razão, que éramos umas bestas. Mas, diga lá: E hoje? O que somos?

terça-feira, 2 de abril de 2013

ARQUIVOS RECUPERADOS

Que essa máquina (o compiúter) é de fazer doido, todos sabemos e comprovamos diariamente.

Mas, quando comparamos com o funcionamento (?) das nossas cabecinhas, aí sim é de pirar de vez.

Se não, vejamos: do nada me vem à mente a clássica “Here, There and Everywhere”. Até aí, tudo bem. Só que, numa velocidade que nenhum computador consegue, lembro, com uma clareza impressionante, de uma boa amiga cuja, lá bem no século passado, me deu a letra dessa música, recém lançada no “Revolver” (se não me engano).
E eu tenho essa letra até hoje! E essa amiga faz aniversário hoje!

É mole ou quer mais?

Aviso: toda e qualquer interpretação esotérica desse acontecimento será sumariamente deletada.