segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

FÉRIAS...

Diz a piada que direção de carro velho não tem folga: tem férias.
No meu caso é o contrário. Chamar uma folguinha de férias é até sacanagem.

Volto no início de janeiro.

Abraços e Feliz Dois Mil e Dez aos milhares e milhares de leitores que têm a pachorra de acompanhar esse blog!

domingo, 27 de dezembro de 2009

RÉVEILLON

Festa chique, champagne jorrando tanto quanto propina em Brasília, convidados selecionados, casa com varandão envidraçado dando vista pro estacionamento cheio de exibições de “olha-como-estou-cheio-de-grana”.

Cinqüenta e alguns anos, a cidadã (já com voz pastosa) se aproxima do alvo e inicia a conversa com objetividade própria das altas executivas:
- Sabe qual o problema? Passei de cinqüenta. Quem é da minha faixa quer comer a minha filha que tem trinta. Quem quer me comer ou tem a idade do meu pai ou é garotão de olho na minha grana (suspiro). Então, tá difícil dar uma trepadinha... (outro suspiro mais fundo)

O calhorda, com a maior categoria, responde:
-Queísso, fica assim não. Vamos tomar mais uma... Diz aqui: sua filha é aquela ali de vestido vermelho...?

Pano rápido.

Obs.: baseado em fatos reais. (Benditas conversas de botequim. Valeu, Muxyba!)

sábado, 26 de dezembro de 2009

ROYAL STRAIGHT FLUSH!!!!!


Primeiro de, espero, diversos.
O cara que jogou contra mim devia ter (no máximo) um flush baixo mas veio com tudo – ainda bem!
Claro, acabei o torneio em quarto lugar, não ganhei nem um mísero centavo mas...
ROYAL É MUITO BOM!!!
obs.: "Grunf2" é meu codinome nesse antro de perdição...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

NATAL


“Não gosto de Natal”.

Normalmente esta frase vem acompanhada de um olhar que varia entre o melancólico e o perdido nas brumas da memória. As pessoas que gostam de falar assim – e são muitas – estão, invariavelmente, esperando por um gesto de carinho e compreensão para com o grande e secreto sofrimento que elas carregam, coitadinhas.
E ficam ansiosas pra você perguntar: - “Por quê?”
Evite. As histórias serão sempre chatas, repetitivas ou pior, a resposta poderá ser: -“Acho muito triste...” seguida de um profundo suspiro e revirar de olhos. Haja...

É o seguinte: Natal é muito bom para todos os que conseguem extrapolar um pouquinho a euforia consumista; para todos os que, seja qual for a religião, conseguem aproveitar o simbolismo da data (alguém ainda lembra do que se trata?), colocando as emoções em dia; para olhar o próximo com menos desconfiança e desejar sinceramente a paz e o bem estar da humanidade.

É muito bom para encontrar a família, conversar sobre os planos e expectativas para o ano que está chegando, para renovar sentimentos e apaziguar desavenças que porventura tenham acontecido durante o período que vai acabando. Já reparou que, quanto mais próximas as pessoas nos são, menos respeito dedicamos a elas? É sempre aquela coisa de “Ah! Ela entende...” Pode até ser que “Ela entenda”, mas a paciência vai se esgotando e é preciso dar uma renovadinha nos relacionamentos. Principalmente os familiares.

Diga lá, meu caro e entediado leitor. Qual foi a última gentileza perpetrada por você à sua companheira? Não serve dizer que não se lembra da gentileza dela - amor com muita cobrança de contas não é amor que se preze. Então que tal aproveitar a data magna da cristandade para tentar recuperar seu encanto perante os entes queridos?

A época de Natal é também uma boa oportunidade para fazermos um honesto balanço interno de nossas vidinhas. Como estamos indo? O que estamos fazendo de bom e de ruim? Estamos progredindo como seres humanos ou estamos empurrando com a barriga?

As famosas resoluções de ano novo não valem. São sempre feitas entre o quarto e o quinto uísque e não duram nem quinze minutos. Além do mais, réveillon é alegria com hora marcada. O que não faz a minha cabeça. Aquela contagem ridícula de “9,8,7,6,5,4,3,2,1... Êêêêê!” seguida da obrigação de todos ficarem em estado de total alegria é uma das situações mais abomináveis a que o tal do convívio social pode nos obrigar.

Para terminar, uma frase citada por H. L. Mencken sobre a imortalidade da alma: “Seria impossível imaginar Deus criando uma besta tão nobre como o homem e deixá-lo morrer sem mais aquela, depois de alguns anos desagradáveis sobre a terra”.

Feliz Natal.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

CARTOONS (e Cartunistas) INESQUECÍVEIS - 6

TUMBLEWEEDS
Grande fã de westerns, Tom K. Ryan (1926 - ) criou a cidade de Grimy Gulch que abriga Tumbleweeds e mais um monte de figuras incríveis como o juiz corrupto, a “caça-marido”, a órfã, os índios doidões, o cachorro preguiçoso, etc, etc.
Sucesso desde 1965, Tom vive hoje na Flórida e ainda está na ativa.
Curiosidade: de 1968 a 1978, Tom teve como assistente ninguém menos do que Jim Davis - o criador de Garfield.

domingo, 20 de dezembro de 2009

HISTÓRIA INGLESA

Há pouco tempo foram comemorados os 400 anos da invenção do porta-retratos. Este suporte de imagens nem sempre agradáveis foi inventado por William Dashkeushoot (1562/1638), contemporâneo de outro William, o Shakespeare. Nobres russos que, ao quebrarem, se instalaram no Reino Unido como fabricantes de chapéus, os Dashkeushoot eram muito apreciados na corte.
O pequeno William herdou toda a sabedoria paterna no trato com os poderosos e se revelou um exímio conspirador, além de cronista social. Suas crônicas eram lidas semanalmente na corte para delírio e pânico de quantos ali estivessem.

Nas horas vagas, Dash (para os íntimos) se dedicava a invenções, tendo criado sua obra prima em 1608. O porta-retratos foi desenvolvido a partir do pedido de um marinheiro inglês (alto, louro, espadaúdo) que desejava, em suas constantes viagens, levar sempre perto de seu coração sensível, um retrato de Dash. Este mais que depressa, contratou um artista que desenhou seu retrato com olhar pidão.
Dash então pensou: “Pickles (esse era o nome do marinheiro alto, louro, espadaúdo) vai viajar pelos mares, a umidade logo vai destruir o retrato”. Movido pela inspiração que somente os mais puros sentimentos incentivam, juntou dois pedaços de vidro à frente e atrás do retrato e ligou-os com pequenos torniquetes.
Na despedida, Pickles mal conseguiu conter a emoção e, quando abriu a boca a chorar, o bafo de cebola misturada com cerveja quente tornou insuportável tudo ao redor.

Mas, além de se destacar nos altos escalões da pederastia britânica, Dashkeushoot era bom mesmo nas fofocas e conspirações palacianas.
A rainha Elizabeth I sucedeu à sua irmã Mary. Esta, católica fervorosa, ficou conhecida como Bloody Mary por sua sanguinária perseguição aos protestantes. (Portanto caro leitor pense duas vezes na próxima vez que for combater sua ressaca com este drink de tão nobre linhagem.)
Pois bem, Dash participou ativamente da queda de Bloody Mary e da ascensão de Elizabeth I. Dedurava a torto e a direito, e, sempre ferino, colocava em suas crônicas, comentários do tipo: “Lembrem-se sempre que existem outros mundos onde se pode cantar”. Enigmático para alguns, esse comentário foi a chave para a execução de Bloody Mary que, dizem os escritos, cantava como Chatotorix – um gaulês que durante o dia trabalhava como cavalariço na Potrobrax e à noite infernizava a vida dos vizinhos.

Elizabeth I amava as artes e foi a maior incentivadora de Shakespeare a quem franqueava teatros para exibição de suas peças. Dashkeushoot uivava de ciúmes e procurava de todas as maneiras intrigar o bardo com a rainha. Foi sua maior derrota conhecida.
Entretanto, a grande derrota de Dash, que poucos conhecem, foi no entardecer de sua vida quando conspirou para destronar Elizabeth I.
Dash convenceu o duque de Essex a conquistar a rainha. Esta, já dobrando o Cabo da Boa Esperança, não iria resistir ao garboso duque 30 anos mais moço. O intento de Dashkeushoot era deixar a rainha aos pés do duque e viabilizar a ascensão de Mary, Queen of Scots – neta de Henrique VIII. (São obscuras as razões de tal procedimento uma vez que Dash gozava de total aceitação da rainha a quem, inclusive, ensinou as delícias do banho tcheco.)

Naqueles dias, Dash estava como nunca. Pickles havia chegado de surpresa e quase pega Dash numa animada tertúlia com Prong, outro marinheiro só que norueguês. Refeito do sustinho, Dash dividia seu tempo entre os corredores palacianos e o cais. Mas... Betinha de boba não tinha nada. Podia estar matando cachorro a gritaço, mas ainda era a rainha da Inglaterra! Ela, sem precisar de ABIN, CPI, ou qualquer outra bobagem, sacou as manobras. Muito a contragosto, mandou executar o duque, despachando, em seguida, um mensageiro para a Escócia com a frase sucinta: “Sífu!”
E ficou deprimida pelo resto de seus dias.

O espantoso é que Dashkeushoot saiu completamente ileso desse episódio, confirmando de uma vez por todas, suas altas qualidades conspiratórias e escapatórias.
Ao ver seus planos ruírem, Dash correu para os fortes braços de Pickles que, por sua vez, já sabia de Prong. Ironia, Pickles e Prong partiram num cruzeiro para o nordeste do Brasil (índios novinhos à disposição) e Dashkeushoot, profundamente transtornado, abandonou a corte e passou a fabricar porta-retratos que ninguém comprava.
São tortuosos os caminhos ingleses.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

OLHA O ADELÉCIO AÍ, GEENTE!!!

Já publiquei aqui (BMB's UNIDOS SEMPRE SERÃO VENCIDOS!) um texto desse cidadão cujo não conheço mas gostaria.
E agora, mesmo contrastando com o ridículo clima "natalino" que se traduz em festas e bebedeiras pseudo-comemorativas, vai mais este primoroso texto.
Divirtam-se (?).

Outros Arrudas virão?
Adelécio Freitas

Brasília irá comemorar 50 anos de existência somente em abril do ano que vem, mas parece que o presente de grego para o Brasil veio antecipado. Uma pérola de sabedoria sociológica de valor inestimado. Um olhar mais atento sobre o escândalo Panetonegate nos mostra uma radiografia precisa daquilo que todos nós estamos carecas de saber, mas assim como um paciente em estado terminal, nos recusamos a admitir. As nossas instituições governamentais são estruturas caquéticas e apodrecidas, e qualquer grupo que ali for governar será corrupto, o que irá variar será apenas o grau de corrupção.

Sim, vou falar exatamente aquilo que você está pensando, eu vim para defender o Arruda e sua quadrilha, e culpar a população do DF. É para você ficar indignado mesmo amigo, a culpa pelo propinoduto é sua!!
Arruda está fazendo exatamente aquilo que ele foi eleito para fazer. Todos nós sabíamos que ele era um político picareta em busca de poder e interesses pessoais. Todos nós sabíamos que ele era um mentiroso descarado que representou uma das cenas mais vergonhosas e patéticas da história do senado federal, todos nós sabíamos que ele era cria de Roriz, uma mistura bizarra de Sarney e Maluf com sotaque goiano. Todos nós sabíamos que ele criou uma máfia das construtoras junto com o seu vice Paulo Octávio e sua bancada de paus-mandados na câmara legislativa para atropelar todas as exigências ambientais em nome da especulação imobiliária, uma promiscuidade inaceitável entre interesses públicos e privados.

E agora eu pergunto: Por que a população de Brasília deixou tudo isso correr frouxo??
Se estivéssemos em um país sério, políticos como Arruda, que foi pego mentindo no plenário do Congresso, ou como Gim Argello, que foi filmado pedindo lotes para um grileiro, não teriam apenas os seus direitos políticos cassados por toda a vida, mas estariam na cadeia.
Aqui na nossa República das Bananas eles voltam triunfantes, fazendo V da vitória, e defendendo com dedos em riste as suas honras ilibadas, se dizendo pobres vítimas de armações políticas.

Agora ficam todos horrorizados. Oh minha nossa!! Que absurdo!!
Pois eu digo, se você está indignado e quer xingar alguém, vá até o espelho, fique uns dez minutos xingando quem realmente merece. Acorde enquanto ainda é tempo. Papai Noel e coelhinho da páscoa não existem, e ética na política também não. Em nossa estrutura moribunda estas duas palavras são contraditórias.

Hoje estamos falando do Panetone, ou seja, já nos esquecemos do Sarney, do Renan, do mensalão petista, do valerioduto tucano...E o engraçado é como os papéis se invertem, o inquiridor se torna inquirido em um piscar de olhos, e todos correm para abafar o caso com um novo escândalo. E assim a pizzaria de Brasília continua a todo vapor, com o otário do contribuinte pagando a conta.

Aonde eu quero chegar? Digo que tudo o que o poder estatal toca apodrece, assim como um Midas de lama. Seja PT, PSDB, PMDB, ou PFL (me recuso a falar “democratas”...), ninguém fica imune diante das benesses do dinheiro público correndo solto. Isso só para falar dos tubarões, prefiro nem perder tempo falando das hienas e abutres vorazes pelas migalhas que sobram. Naturalmente alguém irá falar da santidade do PSol e outros partidos comunistas em geral, sem contar os que aproveitaram a onda ambiental para recussitar doutrinas caducas, os falsos ambientalistas conhecidos como “melancia”, só a casca verde mas o conteúdo totalmente vermelho. Neste caso, as burocracias corruptas e ineficientes dos infelizes países que os guiam falam por si, e é no mínimo ridículo que esta aberração ainda exista em nosso país . No fundo, toda essa retórica de direita, esquerda ou centro faz parte do mesmo monstro que quer controlar a nossa vida e meter a mão no nosso bolso. Gente que não teve competência para agir no mundo real, e vai buscar nos atalhos da política uma maneira fácil de ganhar a vida com discursos superficiais e padrinhos para puxar o saco.

E o engraçado é ver os oportunistas se aproveitando da situação para chutar o cachorro morto. Políticos em início de carreira pedindo mudança no DF, defendendo a ética e os valores morais, pedindo renovação na câmara legislativa. Todos nós sabemos que a única mudança que irá ocorrer será a mudança da conta bancária em que a propina irá pingar.
Não precisamos de renovação nenhuma na câmara legislativa, precisamos sim é fechar imediatamente aquela incubadora de ladrões que sempre envergonhou a nossa cidade.

Estamos indo para a segunda década do século vinte e um. Políticos são peças de um jogo podre e ultrapassado e que irá se extinguir em um futuro breve. Uma pessoa com menos de quarenta anos que queira entrar na política soa como algo tão mofado e anacrônico quanto dizer que quer ser um Marquês ou um Duque.
Se uma pessoa atualizada e consciente anseia realmente por mudanças, ela irá lutar contra essas estruturas de poder, e não querer reforçá-las. Estas pessoas estão criando grupos de trabalho, associações de bairro, redes solidárias que trabalham de forma anônima em busca de um objetivo comum. Esta é a verdadeira revolução pela qual estamos passando, este é o espírito de nossa época, o qual a burocracia estatal felizmente passa longe.

A verdadeira Bastilha a ser derrubada não está nas horrorosas torres de concreto superfaturado de Brasília, e sim nas estruturas coronelísticas e autoritárias que os brasileiros ainda carregam em seus subconscientes. Lá no íntimo, a grande maioria fica fazendo corpo mole no trabalho porque o chefe não está olhando, e sonha que nas próximas eleições virá um salvador da pátria com motivos nobres para colocar as coisas no lugar e aumentar os seus salários e benefícios.

É muito triste saber que a grande maioria de nossa população adulta é tocada como gado, apesar do discurso libertário de botequim. Enquanto a grande maioria assiste o Faustão, uma minoria de cidadãos com o mínimo de vergonha está nas ruas para fazer a faxina que deve ser feita, a maioria estudantes. Os mesmos que tiraram um reitor corrupto da UnB, que foram para o Congresso xingar o Sarney, que foram defender as reservas ambientais que estão sendo ameaçadas pela especulação imobiliária e que agora estão dentro da câmara legislativa do DF ( a famosa casa dos horrores) exigindo o impeachment e a prisão dos corruptos. Obviamente que irão aparecer alguns oportunistas neste meio levantando bandeiras pessoais e querendo tirar proveito político nestes eventos. Mas os jovens já estão vacinados. Tomates e ovos podres neles!!

Eu já estou velho, descrente com a minha geração e envergonhado com o terrível legado que deixamos para os que estão vindo. A única saída que enxergo está nesta juventude que cresceu conectada a um mundo sem fronteiras e sem hierarquias, que repudia doutrinas ideológicas da mesma maneira que foge de ternos, gravatas, e títulos como senhor, doutor, vossa excelência ou qualquer forma de vassalagem ou autoritarismo. A doença generalizada do poder é o sintoma mais claro de que o ser humano não nasceu para ser mandado por ninguém.

Tomara que este gene libertário da juventude não seja contaminado pela comodidade do dinheiro público, e que a iniciativa individual continue prosperando. Tomara que as novas estruturas em rede que estão surgindo continuem a se espalhar de forma horizontal . E finalmente, tomara que político seja tratado como um funcionário público qualquer, e que ao cometer um delito, vá para a cadeia como qualquer cidadão. E que nunca, em hipótese alguma deixemos algum messias ou salvador da pátria tomar as rédeas da nossa vida.

Obrigado excelentíssimo governador Arruda por ajudar o povo a entender que não adianta cortar a erva daninha, pois ela volta a crescer ainda mais forte. A sua cara-de-pau lustrosa é emblemática. Dessa vez todos irão entender que este mal tem que ser arrancado pela raiz.

Parabéns Brasília!! Feliz 50 anos de atraso!!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

JOSÉ SERRA E ARNOLD SCHWARZENEGGER SE ENCONTRAM EM CONFERÊNCIA DO CLIMA.

Bem-humorado, Schwarzenegger saudou seu colega paulista – a quem chamou de “Sierra” – e brincou que já havia estado anteriormente na capital da Dinamarca, entre outras coisas, para eventos de fisiculturismo.
(hmmm... "entre outras coisas", fisiculturismo...)

Rápidos comentários sobre tão importante evento:
Grandes merdas o Schwarzenegger chamar o Serra de “Sierra”. Por seu lado, o Serra deve ter chamado o cidadão de “Arnoldinho”, ou coisa que o valha. (Até porque, pela foto, parece que “pintou um clima” na Conferência do Clima.)
Aquilo atrás do “Sierra” parece um cérebro alienígena, né não?
E, pelo jeitão do Exterminador, o Serra foi abduzido segundos após o romântico encontro. (Se o Serra voltar apoiando o Aécio, estará comprovada a tese.)

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

CARTOONS (e Cartunistas) INESQUECÍVEIS - 5


Georges Wolinski nasceu em 1934 na Tunísia e vive na França desde sei lá quando.
Começou no legendário Hara-Kiri, depois no legendário Charlie Hebdo e, com Siné, fundou o legendário L’Enragé.
Sem contar as constantes presenças nos legendários Paris-Match, France Soir, Libération, etc.
Vai ser legendário assim no Quartier Latin!!!
Mas o cara é muito bom e sempre atual.
Aí do lado, uma recente sobre o cerco a nós, os perigosíssimos fumantes meliantes.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

COM ESSE CURRÍCULO...


O BERLUSCA JÁ TÁ PRONTINHO PRA "ATUAR" NO BRASIL.

O primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, passou a noite de ontem para hoje no hospital milanês de San Raffaelle, a recuperar de uma agressão - ontem, após um comício - em que um homem o atingiu na cara com uma estatueta e o deixou com o nariz partido, o lábio rachado e menos dois dentes.
O Milan decepcionou sua torcida neste domingo ao ser derrotado pelo Palermo dentro de casa por 2 a 0, gols de Miccoli e Bresciano, e perdeu a chance de colar na líder e rival Inter de Milão, que apenas empatou com a Atalanta.
Polícia interroga irmãos mafiosos sobre ligação de Berlusconi com máfia da Efe , em Roma (Itália) da Folha Online Os irmãos Giuseppe e Filippo Graviano, ex- ... de um de seus antigos subordinados, Gaspare Spatuzza --que acusou o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi de colaborar com a máfia.
Ex-mulher quer pensão de R$ 9,1 milhões de Berlusconi, diz jornal da Efe , em Roma Veronica Lario, ex-mulher do premiê italiano, Silvio Berlusconi, pediu ... seria um total de 42 milhões de euros ao ano [cerca de R$ 109 milhões] a quantia que a ex-atriz pedirá a Berlusconi, após apresentar, no mês passado, o pedido de divórcio.

sábado, 12 de dezembro de 2009

OLHOS MUSICAIS

Estavam num restaurantezinho até que passável, mesa de canto, vinho nacional, ela usando blusa vermelha e ele camisa azul – dicas para se reconhecerem. Pareciam dois sacos de açúcar estrelando um comercial de animação por computador.
-Seus olhos são musicais.
-Hmmm, que romântico, acha mesmo que eu tenho um olhar musical?
-Não, querida. Seus olhos são musicais porque eles têm uma sanfonazinha de cada lado.
Apesar da piada, além de velha, ser um tanto ou quanto inadequada, ele não resistiu.

Ela riu amarelo e pensou que ele era meio estranho. Afinal era o primeiro encontro e ele vinha com essas piadas sem graça. Até porque, ela tinha certeza, as ruguinhas estavam quase invisíveis depois de quilos e quilos daquele creme caríssimo que comprara naquele site de cuidados-com-o-corpo-depois-dos-trinta. É nisso que dá ficar marcando encontros pela internet, pensou decidida a parar com essas paqueras virtuais que, quase sempre, acabavam em decepções reais.
Ele, sorrindo francamente, pensava que precisava parar com esses encontros porque todas elas mandavam fotos ou autodescrições que, com absoluta certeza, emanavam daquilo que elas adorariam ser e nunca eram. De todo jeito, já que estou na chuva, vamos dar tudo de si, disse pra si mesmo – com duvidosa perícia na formulação dos ditados.

-Não fica chateada, é só uma piadinha, você é muito charmosa...
-Quêisso, de jeito nenhum, obrigada pelo charmosa, inhinhinhinhim...
Mais vinho, conversa mole, lembranças dos papos quentes nas salas de bate-papo e a coisa caminhava para o de sempre.
-Por favor, a conta!
-Vamos rachar, hein...?
-Tudo bem, se você faz questão...

Calhordas, ambos.
Ele pensando em lucros e despesas e achando que ela estava no ponto. Chato ia ser se ela fosse daquelas grudentas que dão um trabalho danado!
Ela pensando que ele era um belo dum pão-duro mas que tomara que ele fosse duro em outra área também, porque, no momento, era a única coisa que ela estava querendo.
Entraram no carro e rumaram para a casa dele. Na garagem, ainda no carro, depois de risinhos retardados e sarrinhos adiantados, se atracaram num beijo que pretendia ser cinematográfico. O que seria adequado a uma comédia de humor negro pois os dois se arrepiaram ao mesmo tempo de forma que um não notou o arrepio do outro.

Desceram do carro e caminharam, hesitantes, para o elevador. Na porta, ela olhou pra ele e disse com cara de adolescente em dúvida (coisas de antigamente):
-Olha, me desculpe, mas sabe, eu acho que não estou preparada, é que acabei de sair de uma relação difícil, estava muito precisada de companhia, você é muito legal, mas sabe, acho que eu é que não vou ficar legal, sabe...?
-Pôxa... Tudo bem, eu te entendo. Te levo em casa. Tem nada não... Acontece...
No carro, se tivessem tido a coragem de olhar um para o outro, poderiam ter dado boas gargalhadas, conversado, se tornado amigos e até, quem sabe, poderiam vir a superar a tremenda falta de química corporal.
Mas, só para rimar no final, esse não era um encontro virtual.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Babaquice Comentada

A BAGAGEM

Quando sua vida começa, você tem apenas uma mala pequenina de mão...
(Que fofura, deve ser o Alvinho fugindo pra África – lembram do Bolinha e Luluzinha?)

À medida em que os anos vão passando, a bagagem vai aumentando porque existem muitas coisas que você recolhe pelo caminho... (OOOHHH! Quão originalmente simbólico!)

Você pensa que elas são importantes. (Seu tolinho...)

A um determinado ponto do caminho começa a ficar insuportável carregar tantas coisas. Pesa demais! Então você pode escolher: (Parar imediatamente de ler esse monte de asneiras, ou...)

Ficar sentado à beira do caminho, esperando que alguém o ajude, o que é muito difícil... (Põe dificuldade nisso!)

E você poderá ficar a vida inteira esperando... ou ...ou você pode aliviar o peso, esvaziando a mala. Mas, o que tirar? Comece tirando tudo para fora e vendo o que tem dentro... (Se “tirou tudo para fora” o que tem dentro???)

AMOR, nossa!!! Tem bastante... (OOOHHH!!!)

AMIZADE. E não pesa nada!!! (Arrã...)

Mas tem algo pesado... Você faz força para tirar... Aí você começa a tirar, tirar e aparecem. (Não, não é o que você está pensando, seu imundo escatológico!)

É a RAIVA - como ela pesa!!! A INCOMPREENSÃO, o MEDO, o PESSIMISMO... Nesse momento, o DESÂNIMO quase te puxa pra dentro da mala... (O que seria uma ótima solução!)

Mas você puxa-o para fora com toda a força, e aparece um SORRISO que estava sufocado no fundo da sua bagagem... (OOHH! Tadinho!!! O sorriso estava sufocado – com certeza pra não virar gargalhada de deboche.)

Você coloca as mãos dentro da mala de novo e agora você vai ter que procurar a PACIÊNCIA dentro da mala, pois vai precisar bastante... (Aí alcançamos o auge da redundância.)

Tira pra fora a TRISTEZA... Procure então o restante: Tire a PREOCUPAÇÃO, também, e deixe de lado. Depois você pensa o que fazer com ela... (Como diria o Costinha, “Ignora, finge que não é com você...”)

Então... Mas pense bem no que vai colocar lá dentro!!! (O autor! A mãe do autor!)

ENTUSIASMO, ESPERANÇA, CORAGEM, FORÇA, EQUILÍBRIO, TOLERÂNCIA , RESPONSABILIDADE, FÉ, BOM HUMOR. (E toneladas de pieguices cretinas que, pelo visto, também não pesam nada...)

Agora é com você... Sua bagagem está pronta para ser arrumada de novo! E não se esqueça de fazer isso mais vezes... Pois o caminho é muito, MUITO LONGO. (Bota looongo nisso!!!)

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

RIFF


Segundo a MTV, riff de guitarra é sequência de notas e/ou acordes que serve como base e determina o formato sonoro das canções. Às vezes é usado como ponto de identificação da música. Já o solo, esse sim bem mais popular, é o momento onde o músico apresenta-se destacando seu instrumento. Solo vem do italiano, sozinho.
Sabe-se lá porque – falta de assunto, certamente – diversos sites resolveram eleger os melhores riffs de todos os tempos.
Os mais votados foram:
1 - "Voodoo child", Jimi Hendrix
2 - "Sweet child o' mine", Guns N’ Roses
3 - "Whole lotta love", Led Zeppelin
4 - "Smoke on the water", Deep Purple
5 - "Layla", Eric Clapton - Derek and the Domino’s
(Jimi Hendrix em primeiro, tudo bem. Mas Layla do Eric Clapton em quinto, quê-queísso???)

Claro que a mídia tupiniquim correu atrás e, caso vocês tenham interesse em tão palpitante tema, é só googlar.
Pra mim, o riff brasileiro imbatível é o do Alagados – Herbert Viana e Paralamas do Sucesso.
E pra vocês?

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

MAS SÓ AGORA?

Dupla sertaneja é presa por tráfico de drogas.
As investigações indicavam que os dois irmãos estariam traficando cocaína que era adquirida em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, e distribuída na região de Santa Fé do Sul. Eles contavam com o apoio de um motorista de Campo Grande (MS), que levava a droga até o destino enquanto os cantores o acompanhavam em outro veículo. O motorista também foi preso.


Como sempre, a justiça é lenta.
Por "tráfico de drogas" Glaucimar e Glaucinei já eram culpados desde que formaram a dupla...

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

DITADOS NA ERA DIGITAL

Total falta do que fazer, mas é que hoje é feriado em Belo Horizonte.
(E devia ser também em Joinville...)

A pressa é inimiga da conexão.
Amigos, amigos, senhas à parte.
Antes só, do que em chats aborrecidos.
A arquivo dado não se olha o formato.
Diga-me que chat freqüentas e te direi quem és.
Para bom provedor uma senha basta.
Não adianta chorar sobre arquivo deletado.
Em briga de namorados virtuais não se mete o mouse.
Em terra off-line, quem tem 486 é rei.
Hacker que ladra, não morde.
Mais vale um arquivo no HD do que dois baixando.
Mouse sujo se limpa em casa.
Melhor prevenir do que formatar.
O barato sai caro. E lento.
Quando a esmola é demais, o santo desconfia que tem vírus anexado.
Quando um não quer, dois não teclam.
Quem ama um 486, Pentium 5 lhe parece.
Quem clica seus males multiplica.
Quem com vírus infecta, com vírus será infectado.
Quem envia o que quer, recebe o que não quer.
Quem não tem banda larga, caça com modem.
Quem nunca errou, que aperte a primeira tecla.
Quem semeia e-mails, colhe spams.
Quem tem dedo vai a roma.com
Um é pouco, dois é bom, três é chat ou lista virtual.
Vão-se os arquivos, ficam os back-ups.
Diga-me que computador tens e direi quem és.
Há dois tipos de pessoas na informática. Os que perderam o HD e os que ainda vão perder...
Uma impressora disse para outra: Essa folha é sua ou é impressão minha?
Aluno de informática não cola, faz backup.
O problema do computador é o USB (Usuário Super Burro).
Na informática nada se perde, nada se cria. Tudo se copia.... e depois se cola.
O Natal das pessoas viciadas em computador é diferente. No dia 25 de Dezembro, o Papai Noel desce pelo cabo de rede, sai pela porta serial e diz: Feliz Natal, ROM, ROM, ROM!

(Valeu, Morici)

CRIME HEDIONDO

Um americano de 25 anos foi preso na última quinta-feira após atacar sua própria mulher com um hambúrguer. De acordo com a polícia de Port St. Lucie, na Flórida, Daniel Boss esfregou o sanduíche na cara da parceira logo após ela perder a paciência durante uma discussão e atirar refrigerante na refeição.
Após a agressão, a mulher de Boss prestou queixa na delegacia de polícia.

Daniel foi preso três horas depois.
Além de esfregar o hambúrguer, Daniel Boss também atirou batatas fritas na mulher, segundo o relatório da polícia.

Esfregar o hambúrguer, tudo bem.
O agravante foi atirar as batatinhas: letais...

domingo, 6 de dezembro de 2009

HEXA CAMPEÃO!!!

Para qualquer um, a camisa vale tanto quanto uma gravata.
Não para o Flamengo. Para o Flamengo a camisa é tudo.
Já tem acontecido várias vezes o seguinte:- quando o
time não dá nada a camisa é içada, desfraldada, por invisíveis mãos.
Adversários, juízes, bandeirinhas, tremem, então, intimidados, acovardados, batidos.
Há de chegar talvez o dia em que o Flamengo
não precisará de jogadores, nem de técnicos, nem de nada. Bastará à camisa, aberta no arco.
E diante do furor impotente do adversário, a camisa rubro-negra será uma bastilha inexpugnável.
Nelson Rodrigues
obs.: o Adriano pode colocar na sua biografia que jogou com o Petkovic.

É SOFRIDO MESMO!

15 minutos do primeiro tempo, Flamengo tímido, parece que o Grêmio é que está lutando pelo título.
Empate e continua a mesma agonia.

sábado, 5 de dezembro de 2009

TÁBACÔNA

(Em carioquês, a expressão “tá bacana” significa algo entre “-Não sei não, mas vida que segue...” e “-Tudo bem, não se fala mais nisso.”)

Ela falava assim, fazendo biquinho, -Tábacôna!

Típica representante da fauna (e flora) do Rio de Janeiro, Christina (assim, com agá complicativo mesmo, a mãe dela achava chique) misturava a agressividade intrínseca da malandragem carioca com a doçura de mulher bem resolvida, conhecedora e exímia administradora de seus dotes de sedução. Capaz de sacrificar seu lazer - e muito mais - para ajudar qualquer pessoa necessitada, era também capaz de incompreensíveis rasgos de avareza. Em resumo, um ser humano como qualquer outro, com o agravante de ser mulher: inexplicável, incoerente, eterna adolescente, enfim, uma delícia de criatura.

Advogada, boa situação financeira, beirando os quarenta, separada, natureba-pero-no-mucho (como manda o figurino), ia levando suas pauladas e dando outras tantas, conhecendo o mundo e seus habitantes, de forma leve e sem maiores preocupações. Sentia-se bem, as coisas aconteciam a seu redor exatamente da forma que ela determinava. Até que o destino deu-lhe uma pernada (ou “uma banda”, em carioquês).

O primeiro casamento não destruíra o efeito de anos e anos de lavagem cerebral que Sabrina, Julia e outros horrores no gênero haviam desenvolvido - um sonho inconfessável até diante do espelho: um dia, o príncipe iria chegar. Não um reles príncipe. Mas, Ô Príncipe! Aquele que traria sentido total à sua existência. Aquele que seria gentil, educado, companheiro, afável, bem humorado, dono de infinita paciência e compreensão, jeitoso para pequenos consertos domésticos, cozinheiro de mão cheia e, na cama, um monstro libidinoso! E ela não estava na caça. Fazia parte de sua estrutura a completa falta de planejamento para tudo: -Assim não crio expectativas e não me decepciono, dizia com um ar de superioridade que contrastava com sua inteligência.

Ronaldo, que atendia pelo suburbano codinome Rôni, fez tudo certo. Foi devagar, aplicando pequenos golpes sedutores como cartões espertinhos enviados nas manhãs seguintes a encontros gostosos, se mostrando sensível e atencioso, ou seja, utilizando toda a parafernália indispensável para uma conquista mais trabalhosa. Sim, porque hoje é preciso ter cada vez mais cuidados e atenções a inúmeros detalhes ao lidar com o sexo feminino - culpa da mídia... E Rôni sabia bem disso. Caprichava na aparência, escolhia os assuntos de modo a parecer sempre bem informado e atento às coisas de interesse dela, fazia o tipo rude-com-sensibilidade-a-ser-descoberta. O que provocava em Christina paroxismos de prazer. Dentro e fora da cama.

Rôni era chofer de táxi. Não dessa safra de profissionais liberais, que, por força do desemprego, estão encarando o nobre ofício de transportar a classe média. Era chofer de táxi porque foi o que lhe sobrou. Vagabundo, porém charmoso e inteligente, logo cedo descobriu sua vocação: viver às custas de senhorinhas carentes. Um requintado cafajeste.
Através de um amigo que trabalhava em uma administradora de cartões de crédito, Rôni levantava a ficha das madames a serem desbastadas de suas economias em troca de algumas semanas de paixão avassaladora. Depois de cercar a casa da Christina por algum tempo, finalmente ela embarcou no táxi. Daí pra frente, tudo seguiu o caminho normal. Dono de uma aguçada presença de espírito, ele fisgava sem dó nem piedade.

Christina tirava de letra a diferença de classe social. Ainda mais depois que lera, num desses famigerados cadernos femininos que se repetem nos jornais semana após semana, uma reportagem sobre mulheres psicólogas, arquitetas, etc, que viviam com seus rudes e maravilhosos pedreiros, jardineiros, etc. Dava até status. -Olha como estou adestrando o meu animal de estimação... E na cama, minina, nem te conto!

Levou o Rôni para meditação transcendental, iôga, ele começou a tomar florais para diminuir o stress do trânsito, já estava acertando quase todos os plurais e concordâncias. Avanço importante pois, para ele, até noventa e nove era no singular: -“É só trinta real, meu camarada!”
Foram assistir Pão e Tulipas e, depois de todas as explicações e interpretações da Chris, ele entendeu e gostou. Começou a freqüentar a rodinha de amigos dela e (contra seus princípios) até participou de um agoniante almoço familiar dominical.

Foi depois desse almoço. Era uma tarde chuvosa, dessas que praticamente empurram os amantes para a cama. Após um caprichadíssimo embate amoroso, cigarrinho na mão, a outra mão acariciando um seio, ele lançou a isca: um suspiro profundo e o olhar perdido no teto. O calhorda sabia tudo.
Em menos de um segundo, ela já estava de bruços, olho no olho: -O que está te preocupando, meu bem? -Nada não. -Pôxa, será que você não confia mais em mim? -Claro que eu confio. É que pintou uma oportunidade para trocar o carro e eu só tenho até terça-feira pra bater o martelo.
-Como assim? -Você sabe que estou precisando de um carro mais novo e surgiu essa oportunidade. Só que tenho que depositar até terça e o dinheiro que tenho aplicado só posso retirar no fim do mês... -E quanto é, meu bem? -Vinte e cinco. É um grande negócio, o carro vale trinta e cinco mas o sujeito está apertado. Bom, deixa pra lá. Vou dar um jeito. -Se você está precisando posso te emprestar até o fim do mês... -Que isso Chrisinha... Eu me viro. Além do mais, se eu não conseguir, outra oportunidade vai aparecer. Não preocupa não. -Deixa de ser bobo. Outra dessa não pinta tão cedo e você está mesmo precisando trocar esse carro. Amanhã eu deposito pra você.
Depositou.

E aí aconteceu o imponderável. Cheque compensado, dinheiro na conta, estratégia de sumiço armada, o Rôni vacilou. Pôxa, ela é tão legal! Pela primeira vez ele tinha sido gostado sem explicações ou necessidade de fingimento. Chris, ao contrário das outras, nunca havia escondido nada de ninguém. Ele era aceito pelos amigos e pela família - tudo bem que havia sempre os comentários e risadinhas que ele percebia, mas não o abalavam. O que estava abalando era a Chris.
Sumiu três dias. Na sexta-feira apareceu. -Tive que viajar. -Fiquei preocupada. Não faz mais assim. -Me desculpa, não faço mais não. Olha, toma pra você. -Quê isso? -Seu dinheiro. O cara melou o negócio...

Christina hoje é diretora jurídica de uma multinacional, Rôni largou o táxi, está estudando espanhol e virou “house-keeper”. Às vezes, nas madrugadas insones, lembra com uma ponta de saudades, as armações do passado. Aí, olha pra Chris dormindo a seu lado e suspira: -Tábacôna...

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Babaquice Americana


Chef faz réplica da Casa Branca com chocolate branco.
Réplica foi mostrada na quarta-feira pelo Chef Bill Yosses.
Projeto conta com miniatura de ‘Bo’, o cão da família Obama.

Duas perguntinhas:
1. Quem vai comer essa “obra”?
2. Mesmo sendo branca a casa, considerando o atual ocupante, o chocolate devia ser outro, né não?

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

QUASE-QUASE?


Depois de ser quase campeão da sul-americana e, tomara, no domingo que vem, quase evitar o rebaixamento, o Fluminense vai procurar um novo endereço.
Sai das Laranjeiras e muda para a Rua Bulhões de Carvalho...

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

CARTOONS (e Cartunistas) INESQUECÍVEIS - 4

O problema com o Veríssimo (e vários outros) é que fica muito difícil escolher um só.
Então, vai esse. Tentando resumir um pouco do que foram "As Cobras".

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

CELEBRITIES - 1 de Dezembro


Hoje é aniversário de algumas celebridades mundiais que têm a subida honra de estar em companhia da minha celebridade mais importante.

(Caso eu sobreviva à essa revelação, amanhã estou de volta...)

A CULPA É DO ESTRADIOL

Uma das verdades imutáveis do comportamento humano apregoa que: qualquer mulher quando acompanhada pelo sexo oposto - namorado, marido, amante ou simples amigo - que dá mole pra outro é vagaba. Sem anestesia.

Agora vem uma pesquisa realizada por cientistas da Universidade do Texas afirmar que "aquelas com alto nível de hormônio estradiol têm mais tendência a flertar, beijar e ter um affair com outro homem fora de seu relacionamento atual."
Arrã...

domingo, 29 de novembro de 2009

QUE LULA, QUE OBAMA, ESSE É O CARA!!!


LÍDER!
O cidadão ANDRADE prova, mais uma vez, que sabe tudo de futebol!!!

sábado, 28 de novembro de 2009

SOZINHO


Rosivaldo tinha todos os problemas que todos temos e mais um: o nome. Talvez por isso, tenha sido sempre bem sucedido. Afinal, quem carrega um rosivaldo ou se torna vitorioso ou fracassa logo de cara. O nosso Rosivaldo era do time dos vitoriosos. Mas, como ninguém é rosivaldo impunemente, suas idiossincrasias também eram fortes. A mais recente e interessante era a mania de querer ficar sozinho. Não era simples. Rosivaldo almejava a solidão total, real, absoluta. No boteco com os amigos, num belo e alcoólico fim de tarde, inadvertidamente soltou na mesa seu atual desejo mais secreto.
-Eu queria mesmo era ficar sozinho.
-Pô, Rosivaldo, que história é essa, a companhia não tá agradando?
-Não é isso, é que eu queria ficar com-ple-ta-men-te sozinho.
-Mas cara, você mora sozinho!
-Mas nunca fico sozinho.
-Êêê, olha só o rei das desamparadas!
-Não é nada disso, estou falando de ficar realmente sozinho!
-Então vai pro Saara e não chateia! (Feito pelo Lemos, este último e infeliz comentário embutia uma bronca antiga. Na verdade, era inveja o que o Lemos nutria, pois o Rosivaldo de ruim só tinha o nome. De resto, gostava dos amigos, era bonitão, fazia sucesso com as “desamparadas” de todos os tipos, tinha dinheiro e aproveitava, com a sabedoria dos que passaram de quarenta e tal, o dinheiro que tinha.)

E ele não deixou passar: -Pô, vai dizer que vocês não têm desejos complicados? Você não, Lemos. Eu sei que seu sonho é brochar gloriosamente numa orgia com seis mulheres e um poodle histérico...
Gargalhadas, gritaria, Dá mais chooopp, Esse Rosivaldo...! O Lemos fechou a cara, mas não podendo manter a carranca com as risadas gerais, fez de bobo.

Instado a melhor se explicar, Rosivaldo bem que tentou:
-Sozinho, mas sozinho mesmo! Sem ninguém pra me escutar, me ver, nada. Só por um tempo, pra ver como é que acontece.
-Mas, sério, na sua casa você não fica sozinho?
-De jeito nenhum. Tem zoeira, telefone, tem vizinho, tem gente que me olha pela janela, não há como ficar sozinho em casa.
-Então vai pra uma montanha!
-Não funciona, você escolhe a trilha mais difícil, chega cansadão lá em cima e, é fatal, vai encontrar um monte de eco-chatos pentelhando a sua vida e a natureza em geral.
-Praia deserta?
-Não existe praia deserta, sempre tem uma galerinha que aparece ou pelada ou fumando bagulho ou os dois.
-Pô, é difícil mesmo...
-Tô falando...

Surubim, que tinha esse apelido não por possuir qualquer dom de pescador, mas por sua discreta predileção por festinhas adolescentes, sugeriu uma ilha.
-Ainda existem ilhas desertas.
-Éééé, ilha é uma boa, RosivaldÔ!
-Já tentei. Aluguei um barco e fui pro sul da Bahia. Cheguei na ilha indicada e, além de muita sujeira e um mau-cheiro do cão, em quinze minutos apareceu um pescador perguntando se “meu rei” não queria um peixinho na brasa arretado. É muito complicado...

A galera estava levando a sério as intenções solitárias do Rosivaldo e, embalados por quantidades industriais de chopp e batatinhas, o papo seguia sem pé nem cabeça como convém a uma boa conversa de botequim.
O Lemos, tentando ser sutil, sugeriu turismo interplanetário. Não era o dia dele.

Quietinho desde cedo, Tadeu compareceu: -Vai pra Brasília, pega um helicóptero e voa baixo pra dentro do planalto. Fica de olho, vai controlando. Umas duas horas depois que passar a última pedra pichada de Casas Pernambucanas, você manda parar. Desce, o helicóptero vai embora e pronto: você tá fudido, mas sozinhão!
Aplausos, bateção de copos na mesa, É-IssaÍ, êêÊÊ, Dá-lhe Tadeu! Rosivaldo riu junto, a conversa se desdobrou pelas questões fundamentais próprias das sextas-feiras e seguiu a vida.

Quinze dias depois, no mesmo boteco, todos se encontram novamente e, claro, ninguém se lembra muito assim como direi lá que bem do que rolou no último encontro.
Chega o Rosivaldo, com cara enigmática, e senta. Calado.
Em meio a bobajada de sempre, um, mais sóbrio, levanta a bola:
-E aí Rosivaldo, que cara é essa? -Já conseguiu ficar sozinho?
-É meeesmo! -Diga lá, Rôsi!
Solene, Rosivaldo declara: -Meus amigos, após profundas pesquisas - nas quais vocês foram importantíssimos - concluí que nenhum ser humano pode ficar sozinho porque estamos sempre agregados às nossas múltiplas e inerentes facetas. Aproveito também pra comunicar que estou de partida para Biahraein, no leste da Índia, onde irei buscar e desenvolver meu eu interior a partir da revelação divina de Shivanbagaswidra.
-Ssshhivan-ô-quê???
-Um guru que fiquei conhecendo num seminário alternativo lá em Santa Teresa.

Dois meses depois no boteco, -Quedê o Rosivaldo?
-Recebi um e-mail dele.
Triunfante com a exclusividade, Surubim saca do papel e lê:
“Galera, Biah-sei-lá-o-quê foi porreta. Agora estou em Paris aprofundando minha busca com uma deliciosa seguidora de Shivan-qualquer-coisa. A vida é bela. Semana que vem tô aí.
Abraços, Rosivaldo.”

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A Babaquice Enófila

Vou logo avisando: não conheço e nunca tinha ouvido falar desses caras até tropeçar neles ao fazer uma pesquisa sobre vinhos. A intenção era coletar pérolas de babaquices que assolam aqueles seres que suspiram e reviram os olhinhos em vez de beber logo o bendito vinho.
Aí achei http://www.academiadovinho.com.br/ e “os meu pobrema se acabaram-se”.
Segue texto copiado de lá. E a tirinha do Aran.

O Enochato
Enochato é aquela espécie da qual todos nós conhecemos um exemplar (ou vários).
O enochato chega às festas ou ao restaurante, pega uma taça, certifica-se de que tem bastante gente olhando, faz cara de entendido, gira o copo no sentido horário e com inclinação de 26,487º em relação a Greenwich, funga dentro da taça, revira os olhos, fala um monte de coisas complicadas e depois olha para as outras pessoas presentes com ar superior, como se elas fossem a ralé da humanidade por não entender de vinhos tanto quanto ele.


É justamente por causa dos enochatos que o vinho tem essa fama de coisa complicada, inacessível, sofisticada, exclusiva de gente rica, metida e chata.
Propomos aqui uma campanha internacional de extermínio dos enochatos e para isso não é preciso usar violência. Basta que ninguém mais preste atenção às macaquices deles frente a uma taça de vinho. Sem platéia, o enochato murcha, perde a pose e sai de fininho...



quinta-feira, 26 de novembro de 2009

FICA CALMO...

Tem coisa mais chata do que ouvir isso quando você está nervoso? (É quase tão insuportável quanto a ridícula pergunta: -“Cê tá nervoso?”)
Carái, se eu estou nervoso é porque não estou conseguindo ficar calmo! E não adianta você falar (nesse tonzinho falsamente sereno) preu ficar calmo, porque eu não vou ficar!! Será que é assim tão difícil de entender???

Então, acho que é mais negócio falar pro(a) alteradinho(a) algo em torno de: “Tudo bem. Curte aí a nervosia, mas tenta fazer ela agir a seu favor. Pensa que quando está nervoso você raciocina mais rápido e que isso pode até ser bom nessa situação...”
E por aí em diante.

A idéia básica é distrair o cidadão fazendo com que ele pense numa coisa mais facilmente realizável do que o irritante e obviamente impossível estágio a ser atingido naquele momento: ficar calmo...

Obs.: Nervoso e os Calmantes é uma banda que lançou seu segundo CD na sequência do já clássico (?!?!) “Saudades das Minhas Lembranças”, lançado em 2004.
Com essa sinopse só resta uma conclusão: ou é uma bosta ou é muito bom.

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

CONTRADIÇÃO


Dá pra falar um monte de bobagem sobre isso.
Mas... "Tô cum saco não..."

terça-feira, 24 de novembro de 2009

O HORRÍVEL VÍCIO DO...


JOGO!

(E vocês tinham certeza que era cigarro, né não? Seus pentelhos.)

Tirante as loterias de futebol (Timemania, Lotogol, Loteca, etc) sou jogador assíduo nesse nosso grande cassino estatal administrado pela CEF.

Nas palavras imortais de um filósofo amigo, “O imprevisto só acontece quando você não está esperando”.
Embalado por esse pensamento superior... Sei não, mas acho que a gerência do cassino se embananou com essa história da quina ser “diária” (2ª./Sáb???).
Um atraso ou outro provocado pelas “intempéries”, ainda vá.
Mas tá ficando chato.

Assim sendo, a quina vai ficar sem minha contribuição por um bom tempo: até que as coisas voltem ao normal ou, mais ou menos, uma semana. Se eu agüentar tanto.

COMO DIRIA A SUZANINHA...

"Ainda bem que
o mundo fica tão lá longe!"

"Filipinas - Sobe para 46 o número de vítimas de massacre."

"China executa 2 por escândalo de leite."

"Com lavouras perdidas, Sul deve ter mais chuva hoje. Trinta e seis cidades gaúchas decretaram emergência."

"Vizinhos saqueiam casa onde menino morreu."

"Celular é apreendido com foto de criança armada no Rio."

"Técnica de enfermagem aplicou morfina em bebês, conclui laudo."

"Gangue invade casa e tortura família em Betim."

CARTOONS (e Cartunistas) INESQUECÍVEIS - 3

Desde que lançou sua revista Zap Comix nas ruas de San Francisco, durante o chamado verão do amor de 1967, Robert Crumb (1943) é considerado o pai fundador dos quadrinhos underground.
Hoje, inquestionavelmente, é o grande artista do gênero no planeta. Mais do que isso: para muitos, como o crítico Robert Hughes (da revista Time), Crumb é o maior artista vivo, de qualquer gênero (!!!), no Ocidente.

domingo, 22 de novembro de 2009

... E O FLAMENGO TRUPICOU


Petkovic num mau dia - 75 minutos sem acertar um lançamento;
Adriano jogando como pivô de futebol de salão sem ter quem finalizasse.

Os bambis agradecem a incompetência rubro-negra.
Mas, não acabou não...

BAMBI TROPEÇOU...


Sacanagens à parte.
Há muito tempo não tínhamos um campeonato como esse.
O São Paulo acaba de perder para o Botafogo que sai do rebaixamento apesar da vitória do Fluminense.
O Flamengo joga daqui a pouco contra o Goiás.
E podemos dormir como líderes.
Seguura, peão!!!

sábado, 21 de novembro de 2009

"UM RITUAL DE AMOR..." RESPOSTA


Que os publicitários vivem numa "festa estranha com gente esquisita", todos sabem. Mas isso é normal. O que me espanta é o cliente! O cara que paga a conta aprova coisas inimagináveis.
E esse é um exemplo:
Pão de Forma Seven Boys -
Um Ritual de Amor na Sua Vida.
E agora? Eu, que gosto tanto de queijo quente, tô roubado... Vai ter que ser com ritual!!!

AMOR CORRIQUEIRO


Lizandra conheceu Zé Milton quando já estava cansada de guerra. Divorciada, filhos já grandes o suficiente para chatearem pouco, ela já tinha passado da fase de deslumbramento e estava quieta, vendo a vida andar. O Zé, recém saído de um ajuntamento complicado, estava em plena efervescência. Trabalhava o dia inteiro e caía na noite com entusiasmo juvenil. -“Quando a cabeça está em ordem o corpo acompanha”, explicava a todos que não entendiam a relação inversamente proporcional entre o máximo de disposição e o mínimo de horas dormidas. E tome happy-hour, festinhas, inaugurações, coquetéis, enfim, o que viesse ele encarava.

Aí pintou a Lizandra. Conheceram-se numa festa de aniversário onde ela foi só para apoiar uma amiga que estava interessada no primo do cunhado da aniversariante (coisas que as mulheres fazem dos 8 aos 80 anos). O Zé estava lá porque tinha que estar.

Apartamento pequeno, sala cheia, Dá licença, Ôpa, desculpe o mau jeito, Quer que eu pegue uma bebida pra você? Vinho? Também gosto. Cheio aqui, né? Como é mesmo seu nome? É parente? Também não. Diferente a cor do seu cabelo. Não, não, achei muito legal, sério! Méier? Não é possível, eu também, como nunca nos encontramos? É, devem ser os horários. Também tenho, mas um só. 12. Vejo nos fins de semana, aqueles programas de sempre, futebol, shopping, etc. 21? Pôxa! Foi mãe adolescente? 45? Não parece de jeito nenhum. Você é muito bonita. Eu? 47. Obrigado... a gente faz o que pode.

Daí em diante foram encontros, conversas madrugada a dentro, sexo da melhor qualidade, mesmos gostos, mesmas inseguranças, mesmas reclamações do passado, enfim, tudo o que se espera de um início de romance.
-Sabe o que mais detesto? Mentira.
-É? Eu também.
-Não vejo necessidade de mentira entre duas pessoas que se amam.
-É? Eu também.
-Vamos sempre manter a honestidade, tá?
-Claro, claro.

Passaram a se ver quase todo dia. A Liz (como ele a chamava) estava mais alegre, o Zêmi (como ela o chamava) estava mais calmo.
Entraram na fase da atenção.
-Olha, estou indo tomar uma cerveja com a turma, mas não demoro.
-Fica à vontade querido. Tô te esperando, viu?
-Zêmi, vou ao cinema com a Martinha. Me pega depois?
-Claro, claro.

E passaram para a fase seguinte: o descaso da certeza da relação.
-Pôxa, onde você estava? Porque não ligou?
-Ora, achei que não precisava, você sabe que eu faço ginástica no fim da tarde.
-Mas custava ligar...?

Lógico, chegou o ciúme.
-Zêmizinhô, você não tem mais ninguém, né?
-Deixa de bobagem, Liz.
-Lizandra Gomes (quando vinha o nome todo era porque a coisa estava feia) quem é esse Mauro que te deixou recado? Amigo? Desde quando? E que intimidade é essa?
Amuados, ficavam um tempo prá lá e pra cá até que a paixão falava mais alto e tudo voltava ao normal.

Depois veio o costume, o conhecimento.
-Zêêêêmiii... (Pelo tom de voz e o arrasto do Zêêêêmi ele já levantava e ia pegar um copo d’água porque ela estava lendo e a intensa atividade intelectual dava sede.)
-LizÁ! (Pelo acento no “a” ela já ia pro armário achar as meias que ele nunca sabia onde estavam.)
-Quiriiido... (É almoço de domingo com os pais dela, na certa.)
-Goshshtosinhaaa... (É futebol na hora da novela.)
E assim seguiam exercitando seus códigos como todo casal que se preza.

Hoje as vidas estão assentadas, o Zé Milton de vez em quando apronta uma escapada, mas fica só na cerveja com os amigos, não achando muita graça, pensando em voltar logo pra casa. Chega tarde só pra mostrar uma certa independência e provocar um ciuminho que, segundo ele, é saudável.
A Lizandra, enquanto isso, fica na internet alimentando as fantasias dos quatro namorados virtuais que a conhecem pelo apelido: PDPD24A (Popozuda-Doida-Pra-Dar-24-Anos).
E segue a vida.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

BABAQUICES COMENTADAS


Faça você também esse relaxante exercício!

Se te deténs a chocar os ovos da intranquilidade, o que deles pode sair?
(Várias opções: uma frase idiota, um pensamento imbecil, uma babaquice impressionante.)

Se Satanás pudesse amar, deixaria de ser mau.
(E se aquela suruba tivesse sido adiada estaríamos livres do autor desta pérola.)

Nunca é largo o caminho que conduz à casa de um amigo.
(Ééé... Vai alargando com o tempo... Boiola!)

Quero estar com você num momento chamado sempre.
(Escrito no bilhete do amante-psicopata-assassino-suicida.)

A alma sensível é como harpa que ressoa com um simples sopro.
(Isso! Fica aí soprando a harpa... Mentecapto!)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

“UM RITUAL DE AMOR NA SUA VIDA”

Isso é um slogan.

Aí eu te pergunto arguto leitor: Qual o produto você imagina que use essa melosidade como slogan?

(A) Um creme de beleza que abole as rugas femininas num franzir de sobrancelhas.

(B) Um vinho com retrossabor levemente aviadado, quer dizer, aveludado, de delicado frescor, persistência, harmonia e equilíbrio.

(C) Hipoglós para a bundinha do neném gúti-gúti da mamãe.

(D) Um shampoo que não muda a sua voz. Mas os seus cabelos... Quanta diferença!

(E) NRA.

A resposta correta, no sábado.
Ou a qualquer momento caso algum deformado profissional mate a charada antes.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

LA MAIN DE DIEU


Thierry Henry classifica o timeco da França para a Copa com uma vergonhosa ajeitada de mão.

Assim como na vida, não existe justiça no futebol.
(Quando a gente acha que existe é só um mero acaso fortuito.)

CARTOONS INESQUECÍVEIS - 2

Carlos Estevão é o criador do Dr. Macarra. (E quem tem menos de 50 não deve ter a menor idéia do que eu estou falando.) Nasceu em Recife/1921 e morreu em Belo Horizonte/1970. Era um grande cartunista ou quadrinhista, desenhista, sei lá.
Entre muitos outros feitos, Carlos Estevão também desenhou - e criou - a sequência do Amigo da Onça (quem?) depois da morte de Péricles, o autor do antológico personagem que frequentava a última página d'O Cruzeiro nos anos 50/60 (quando???).
(O Haja também é cultura - inútil, mas é!)

terça-feira, 17 de novembro de 2009

FATURANDO COM DECÊNCIA


Fabrício Carpinejar http://www.fabriciocarpinejar.blogger.com.br/ é um tremendo poeta, cronista, seja lá como vocês quiserem definir.

Com essa estampa improvável é também um cidadão que sabe faturar sua atividade. Dá aulas, palestras, escreve livros e mais livros, vai no Jô, faz gracinha, se desnuda em seu blog, trafega em todas as mídias, se promove com total sinceridade, enfim, o cara vive disso. Mesmo. E bem.

A última dele é o livro "www.twitter.com/carpinejar".
São 416 textos do naipe de:
“O twitter é um orfanato. Todos os pensamentos que não tinham pai e mãe podem ser acolhidos.”
“O twitter é o guardanapo digital.”
“O avô do twitter é o parachoque de caminhão.”
“Não sei se o twitter é literatura, mas é ótimo para treinar epitáfios.”

Me faz lembrar do Groucho Marx...

domingo, 15 de novembro de 2009

BAMBIS, TREMEI!

Flamengo 2 x 0 Náutico. Show de bola do Adriano.
Fez de tudo: gol, passe pra gol, defendeu, armou, só não fez chover.

sábado, 14 de novembro de 2009

HIPOCRISIA POUCA É BOBAGEM

Fuçando atrás dessas incríveis notícias que alimentam o IBN (vide ontem) passei pela fulgurante revelação: “Marcelo Antony vai passar o reveillon em Londres”.
O que só serviu para lembrar desse texto a seguir, escrito em 2004!
E o pior é que nada mudou e se mudou foi pra pior...


Seria cômico se não fosse o trágico e triste retrato desse nosso brasilzinho: o poder público, derrotado em todas as frentes de combate ao crime em geral e ao tráfico em particular, resolve responsabilizar o “usuário recreativo” pelo caos instalado no país.
Claro, imediatamente, diversas personalidades(?) na infinita ânsia de aparecer, embarcam nessa canoa que, tomara, afunde logo com o peso de tantas asneiras cínicas no estilo “Cada baseado comprado é uma bala na arma do tráfico”, “Os pequenos usuários sustentam o tráfico”, “Quem usa está alimentando a violência” e várias outras mais.

Na esteira da prisão do Marcelo Antony (comprovando a tese que afirma todo Antony ser um “garotinho”) os mais variados imbecis de plantão deitaram e rolaram na prática do mais apreciado dos esportes nacionais – falar e fazer bobagem com grandes ares.
E tome de abraçar a Rocinha, levar flores para os favelados, etc, etc.
Não faltou nem o dinossauro Jorge Mautner, do alto de seus, aproximadamente, 114 anos de doideira vir a público caitituar uma musiquinha feita em parceria com aquela coruja de tranças que dá meio expediente no ministério da cultura, apresentando o seguinte esplendor literário:
"Maldita seja essa coisa assassina/ Que se vende em quase toda esquina/ E que passa por crença, ideologia, cultura, esporte/ E no entanto é só doença, monotonia da loucura e morte."

Mais ridículo só o Jabor, no seu jeitinho pseudo-revoltado, dizendo que “O crime no Rio vive do nariz dos otários”. Nooossa, Jabor!!! Que ferino você é, hein?
Aí, no intervalo da preleção jaboriana, somos inundados de comerciais de cervejas, uísques e afins. Qualquer ser humano que tenha chegado ontem ao planeta está cansado de saber que o álcool é responsável por índices absurdamente altos de mortes no trânsito e fora dele. Mas os milionários impostos que sustentam nossa corja política fazem com que o álcool e o cigarro estejam firmes na vida de todos. E, quando alguém morre é porque, ora, devia ter “apreciado com moderação”!

Quem é o culpado pela guerra da Rocinha e por todos os fernandinhos-beira-mar do nosso Brasil-zil-zil?
O descaso do poder público?
A corrupção desenfreada nas esferas políticas?
A polícia corrompida que amedronta tanto quanto a bandidagem?
A legendária impunidade dos eternos coronéis do poder?
Os altos escalões envolvidos no trilionário negócio das drogas?
Claro que nenhuma dessas alternativas.
O culpado é você, meu camaradinha! Ééé... Você mesmo, que está aí pitando seu baseadinho junto com sua gatinha, na boa, em casa, tranquilão. Você é que viabiliza tudo isso, viu? Seu pulha, imundo!

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

O IBN* NÃO PODE CAIR

Mais notícias fundamentais para manter a babância em dia.


Obs.1: A legenda da foto é prova que os “editores” sabem muito bem com quem estão falando.

Obs.2: Haja Madonna...

Aniversário do caçula de Angélica e Huck reúne famosos no Rio.

Fiorella Mattheis apresenta sua cadelinha à de Giovanna Ewbank.

Carolina Dieckmann devora sorvete com o filho em show infantil.

Luana Piovani circula pelo Rio de Janeiro a bordo de ecotáxi.

Sábado quente leva Viviane Araujo e Patrícia Poeta à praia no Rio.

Blecaute atrapalha jantar de Madonna no Rio.

Jesus Luz aparece no terraço do hotel Fasano.

Madonna e Jesus Luz jantam no Sushi Leblon.

Madonna janta hoje na casa de Eike Batista, no Rio.

*Índice de Babaquice Nacional

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

LISTA

Acho esquisito, mas parece que todo mundo gosta de lista.
Então...

DEZ COISAS QUE VOCÊ PODE FAZER
PARA ESVAZIAR UM SELF-SERVICE.

1. Falar bem alto na fila: “Minha anorexia hoje tá braba. Já tô querendo vomitar antes de comer...”

2. Gritar em direção à cozinha: “Pô, Jandira! Esse fígado tá parecendo intestino...”

3. Dançar esbarrando em todo mundo enquanto canta “Adu a-adu cada um nu seu quadradu, vai paquitu, vai paquitu”.

4. Fazer "cara de amway", olhar para todos ao redor e perguntar: “Vocês estão satisfeitos com o que estão ganhando?”

5. Vestir uma farda camuflada e entrar aos berros: “Tropa de elite, osso duro de roer, pega um pega geral, também vai pegar você!”

6. Olhar embaixo das mesas suplicando: “Volta Isaurinha, minha vida não tem sentido sem você!” Em seguida explicar que Isaurinha é sua ratazana de estimação.

7. Carregar um menino bem sujo e melequento e fazer um discurso sobre Cidadania Plena e Fome Zero.

8. Falar com a boca cheia: “Fério mevmo. Afo a Dilma um tevão...”

9. Contar, com riqueza de detalhes, o que fez com a “patroa” durante o apagão.

10. Peidar.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

CURIOSIDADE:

O "Haja" vem sendo acessado por pessoas provenientes dos Estados Unidos, França, Alemanha, Suíça, Itália, Holanda, Espanha, Japão, Bélgica, Índia, Tailândia, Quênia, Uruguai, Bolívia, Colômbia, Chile, Portugal e mais alguns “unknowns”.
Tirando o Paulo Emilio - que é meu amigo, colaborador anárquico e está na Tailândia, é claro que todos os outros acessos são também de brasileiros espalhados mundo afora.
PÔ!
Bem que podiam dar uma comentadinha ou dizer um pouco de vocês ou, pelo menos, contar como acharam o "Haja"...
Falaí galera!

UNIBAN: MUITO ESTRANHO

Sou bom em pedacinho de curso e, consequentemente, um constante freqüentador de faculdades - no século muito passado, é claro. Estudei um pouquinho de engenharia elétrica na Gama Filho, um pouquinho de civil em Barra do Piraí e na Santa Úrsula, outro pouquinho de administração na Estácio, mais um pouquinho de marketing na PUC e propaganda na ESPM (tremenda roubada, diga-se de passagem).

Mas isso não importa. Importa é que em todas as escolas (um pouco menos nas engenharias, é claro) o que tinha de mulher gostosa era uma grandeza. E, mesmo no século passado, sempre desfilavam as mais acessíveis (se é que vocês me entendem).
Então, uma multidão gritando puuta, puuta, para uma lôra que está de minissaia me parece uma parada gay enrustida. Ou não?
E, mais ainda, aí ela é expulsa e em seguida, "desexpulsa"!!!
Pelo jeitão, "all in" que acaba no BBB e/ou nas playboys da vida...

terça-feira, 10 de novembro de 2009

CARTOONS INESQUECÍVEIS - 1

Jaguar - o imbatível - abre a série. (Colaborações são benvindas!)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

DO “LARGADO EM GUARAPARI”

Num vagão de metrô, um anão começou a escorregar pelo banco e um outro passageiro, solidário, o recolocou na posição.
Pouco depois, lá ia o anão escorregando e o mesmo passageiro o recolocava no assento.
Quando a situação se repetiu pela quinta vez, o homem, já irritado, esbravejou:
-Será que você não consegue ficar sentado direito?
Ao que o anão respondeu:
- Meu amigo, a umas cinco estações estou tentando desembarcar e o senhor não deixa!!!

domingo, 8 de novembro de 2009

CHORA, CACHORRADA!!!

Mais um olímpico do Pet, mais uma chinelada nesse timinho.
(Não adianta: quem nasceu pra Diego Tardelli nunca chega a Adriano...)
MEEEENGOOOO!!!

sábado, 7 de novembro de 2009

MANHUMIRIM OU MANHUAÇU?


“Atores formam um segmento de seres privilegiados: são pagos para fazer o que todos nós fazemos, gratuitamente, durante toda a vida”.
Esta afirmação é generalista, preconceituosa e cínica. Mas, entre outras coisas, serve para criar clima em qualquer reunião social. Serve também pra gente dar uma pensadinha.
A verdade é que todos representamos 24 horas por dia. Claro que os atores estão cumprindo sua missão, sua vocação, estudam muito para fazer o que fazem, etc, etc. Mas nós, reles espectadores, protagonizamos nosso showzinho todos os dias e o que é pior: sem platéia, ou às vezes, com platéia hostil.

Lembra aí, prezado leitor: você ontem saiu de casa cedo, passou na banca, comprou jornal, tomou um cafezinho no bar, chegou no trabalho, falou com os colegas, cumpriu suas obrigações e foi almoçar. Parando por aí, quantos papéis você representou nesse curto espaço de tempo?
Na banca você fez o cidadão amistoso, que conversa sobre os assuntos da hora com aquele distanciamento que sua condição de pessoa bem informada lhe concede.
No cafezinho, fez o apressado executivo que tem coisas importantíssimas a resolver no dia que começa, mas pode se dar ao luxo de perder um tempinho com a plebe para xingar o juiz que roubou seu time no jogo de ontem.
No trabalho, fez o funcionário correto, sempre atento, cumpridor de seus deveres, como também fez um arremedo de Casanova para aquela secretaria gostosa que começou a trabalhar na semana passada.
No almoço, se foi em casa, fez o chefe de família fiscalizador do andamento de seu castelo. Se foi no restaurante, fez o executivo entediado, incrédulo com os rumos da política econômica nacional.
E por aí vai. Se entrarmos pela noite é covardia. Numa mesma noite, começando pelo happy-hour e terminando nas mais obscuras vielas da cidade, os papéis se sucedem numa velocidade vertiginosa.

O que pode nos levar a profundas conjeturas (ou, pelo menos, render assunto):
Desses todos aí, quem sou eu? Sou um deles ou sou a soma de todos? Claro, a segunda opção é a mais comum. Mas não a mais leve. Pensa bem: é chato saber que temos uma atitude, uma postura, uma face para cada situação, para cada ambiente, para cada grupo de pessoas. Que, por sua vez, também são camaleões tanto quanto nós. Daí, só podemos esperar mesmo é esse caos comunicativo em que vivemos, tornando, a cada dia, mais real e menos engraçada aquela velha piada dos dois mineiros que se encontram na rodoviária:
-Pronde cê vai cumpadre?
-Manhumirim.
-Então, boa viagem! (O cumpadre tá falando que vai pra Manhumirim que é preu pensar que ele tá indo pra Manhuaçu. Mas num me engana não.. Eu sei que ele tá indo é pra Manhumirim mesmo!).

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Uma Realidade às Sextas


Ela: - Filho da puta, ladrão, salafrário, corinthiano, viciado, preguiçoso, vagabundo, corrupto, pão duro, mau caráter, sanguessuga, imbecil, roda dura, mulherengo, ordinário, idiota, bêbado, burro, inútil...

Ele: - GORDA!!!
Ela partiu pra cima dele, na porrada...

(Valeu, Morici.)

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

DEPOIS VÃO DIZER QUE É IMPLICÂNCIA MAS...

... não dá pra aguentar!
Na verdade, não sei o que é pior: se as fantásticas opiniões sobre qualquer coisa que sirva para ele aparecer na mídia ou se a própria mídia que fica dando espaço a esse cidadão.
O cantor Caetano Veloso afirmou, em entrevista na edição desta quinta-feira do jornal "O Estado de S.Paulo", que, se a senadora Marina Silva (PV-AC) for candidata à presidência da República em 2010, ele votará nela, e chamou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva de "grosseiro" e "cafona".
Hmmm... Grosseiro e cafona. Sei, santa.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

PEIDORREIROS UNIDOS JAMAIS SERÃO VENCIDOS!


ADIADA DEFINIÇÃO DO BRASIL SOBRE REDUÇÃO
DE GASES
Segundo Dilma, o governo pode não apresentar todas as suas metas no dia 14. Isso vai depender de estudos técnicos. Pode ser que no dia 14 nós não vamos apresentar o número diretamente, nós vamos apresentar as medidas. Até porque, os números tem que ser credíveis”, disse.
Quanto à redução de emissão de bobagens, nada foi declarado.
(Tá bem: "credível" existe. Embora, segundo o Houaiss, seja muito pouco usado.)

terça-feira, 3 de novembro de 2009

CLAUDE LEVI-STRAUSS É O DÉCIMO SEGUNDO DA DEATHLIST 2009


O que é Deathlist? Você pode ver clicando no marcador aí embaixo ou no link: http://www.deathlist.net/

O recorde a ser quebrado é de 14 acertos. Ainda faltam 58 dias...
Oscar Niemeyer e João Havelange seguem firmes em terceiro e quarto lugares, respectivamente.

Agora, duro é ver, na velocidade da luz, o nosso perene filósofo, analista político-social, guru de plantão e, infelizmente, cada vez mais esporádico compositor Caê, faturando o ocorrido com declaração de extrema importância para a inteligência da nação: "Lévi-Strauss me levou a pensar muitas coisas sobre o país".

Nóóó!!! Que profundo!!! Esse cara é tudo, mesmo!!!

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

FINADOS

Muita gente relaciona o eterno conselho, aviso, verdade infinita sempre presente em todos os manuscritos auto-ajudativos - “Viva cada dia como se fosse o último”, com a idéia de que a morte, única certeza que temos na vida, é iminente.
Ou seja, vamos pra esbórnia que o amanhã ninguém sabe.
Legal, né? Entretanto, cabe a pergunta:
Por que uma teoria tão confortável, conformista, permissiva e tranqüila não é sucesso planetário?
A resposta é... Dããã...
Porque viver cada dia como se fosse o último é muito fácil. Difícil é encarar a sempre enorme possibilidade do dia seguinte não ser o último...

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

CONCEITO EM PROPAGANDA

Leonardo Lage
Alguém viu o tal de "conceito" por aí?
Por onde andam as Brahmas nº 1? As Brastemps da vida? Os nossos japoneses mais criativos? E as mil e uma utilidades?

Aos 46 anos me considero um sujeito jovem, mas vivo com um sentimento de saudosismo em relação ao que vejo atualmente na propaganda. Observo anúncios e comerciais com imagens lindas, direções de arte espetaculares, recursos de Photoshop, filtros os mais diversos e sem falar dos tratamentos de imagens dignos das grandes estrelas de Hollywood. Me encanto pela beleza das peças, mas não encontro contéudo, não vejo um conceito que norteie a linha de comunicação. Penso com meu botões: "Que lindo anúncio, mas porque esse produto ou serviço é melhor ou me atenderia melhor do que um outro?" Falta um conceito que posicione a marca, falta um conceito que agregue a essa marca uma percepção diferenciada, confiabilidade e desejo.

Se a propaganda é a alma do negócio, o conceito é a alma da propaganda. A partir dele as agências podem estabelecer uma linha de comunicação consistente, contínua e com conteúdo. Se os anúncios e comerciais terão uma linha criativa de humor, emocional, com mulher de bunda de fora ou lindas criancinhas é uma questão de qual dessas linhas se encaixa melhor e claro, da oportunidade a frente.

Minha sensação é de que tudo é muito solto, bambo. Cria-se para o hoje, para o agora. São peças de beleza plástica, com títulos e textos engraçadinhos ou polêmicos, mas sem o menor compromisso de se buscar um objetivo de comunicação a médio e longo prazo. Sem um conceito que irá construir uma marca forte, desejada e com credibilidade.
Não é à toa que se tirarmos a assinatura do anunciante ao final do seu comercial, este mesmo comercial poderá ser veiculado por qualquer um dos seus concorrentes.
Será que ando cego? Será a idade? Ou apenas saudosismo? Se alguém vir o tal de conceito por aí, avise ao mercado publicitário: estamos precisando muito dele.

Baba-Lenda às Sextas


Antigamente, ao fazer mirabolantes planejamentos de campanha publicitária, brincávamos dizendo que “o papel aceita tudo”. Hoje, via internet, parece que a mente das pessoas é que anda aceitando tudo...

IGREJA DE SATANÁS INICIA DIVULGAÇÃO

Leia e REPASSE AO MAIOR NÚMERO DE CRISTÃOS QUE VOCÊ CONHECE!!!

O Dono da Companhia Procter & Gamble apareceu no programa de Phil Donahue, de grande tele-audiência nos Estados Unidos. Nesse programa anunciou que, dado à abertura de hoje em nossa sociedade, havia decidido sair do esconderijo e reconhecer publicamente a sua associação com a igreja de satanás. Ele admitiu que uma grande parte dos lucros da venda dos produtos de sua empresa se destina à ajuda e manutenção de sua igreja satânica. Quando o entrevistador, Phil Donahue, lhe perguntou se não temia que ao admitir na TV nacional a sua associação com satanás, poderia prejudicar os lucros da empresa, ele respondeu: 'NÃO HÁ CRISTÃOS SUFICIENTES NOS ESTADOS UNIDOS OU NO MUNDO QUE POSSAM ME PREJUDICAR MUITO MENOS CAUSAR UM MÍNIMO DANO'.
Demonstremos a esse altivo senhor e ao mundo, que há, sim, cristãos suficientes e que podemos colaborar para acabar com sua companhia que serve a satanás.
Não usemos nenhum produto da Procter & Gamble e avisemos a todos os cristão.
Eis a lista de alguns produtos:
Sabão em pó 'Ariel'
Batatas fritas 'Pringles'
Fraldas descartáveis 'Pampers'
Produtos para lavagem de roupa a seco 'Dryel P & G'
Produtos para cabelo: 'Shampoo Pantene', 'Pertplus'
Medicamentos 'VICK'

Se não tiver certeza se o produto que está usando é desta companhia, procure o nome da companhia ou o símbolo que passou a identificá-la a partir de abril de 1999, que é o número 666, conhecido como o número da besta; antes era uma lua nova.
Demonstremos ao dono da Procter & Gamble que há cristãos mais do que presentes para causar prejuízo a sua empresa; até mais, para fechá-la.
Lembre-se que cada vez que você adquirir um desses produtos, está dando contribuição à igreja de satanás.

Faça cópias deste, e distribua para todos, em todo mundo, para Honra e Glória daquele que está acima de todos os nomes: 'JESUS CRISTO'.
Deus o abençoe e lhe proteja!
Divulguem o máximo que puder!

A mensagem denunciando suposta vinculação entre a empresa Procter & Gamble e uma igreja satânica não resiste a uma análise, mesmo superficial, do seu conteúdo. Apesar disso, essa história resiste há mais de vinte anos, muito antes de surgir a Internet como o meio ideal para a sua propagação.Trata-se de um caso concreto em que uma lenda, uma mentira criada por espírito desajustado trouxe prejuízos para uma empresa.

Deixando à parte a questão religiosa ou de crenças, verificam-se alguns aspectos que logo asseguram a lata de lixo como o lugar ideal para essa mensagem.
Primeiramente, ao mencionar O Dono da Companhia se atribui a propriedade da empresa a uma única pessoa. A Procter & Gamble é uma empresa de capital aberto com ações na NYSE - New York Stock Exchange sob o código PG. Portanto, ela não tem um dono: não pertence a uma única pessoa, mas a milhares de acionistas.
De acordo com Ship-offools.com, nenhum acionista individual detém mais de 0,5 % das ações da P&G, de modo que é impossível uma só pessoa influenciar a destinação dos lucros ou investimentos da empresa. Na página intitulada Ownership vê-se como se distribuem as ações da empresa.

Em nenhum momento o texto cita o nome do "dono" ou do presidente da empresa, mas cita o nome do suposto ou suposta entrevistadora. Em segundo lugar, a Procter & Gamble é uma empresa de grande porte - uma das 20 maiores corporações dos EUA (Fortune, 2009) - e o seu principal executivo não chegou ao topo nem por acaso nem por ser pouco inteligente. Não dá pra acreditar que o presidente de uma grande corporação vá a programa de TV falar uma asneira dessas: que ele, ou a empresa que ele dirige, tem pacto com o satanás.

Uma das versões que circulam nos EUA diz que a suposta entrevista teria sido realizada com o President of Procter & gamble (sic). Aqui no Brasil, o tradutor/adaptador entendeu que o presidente é o dono da empresa e isso não é verdade. Ele é 'apenas' o empregado de maior graduação no organograma da empresa e presta contas aos acionistas.
A imprecisão ao mencionar que a grande parte nos lucros seria destinada à tal igreja indica desinformação do denunciante. Se ele sabe das coisas, por que não informar valores ou percentuais precisos? "Grande parte" significa quanto? Mais de cinquenta por cento dos lucros? Nenhum dos milhares de acionistas jamais desconfiou de tamanho desvio? Ou todos concordariam com ele?
Essa história surgiu nos EUA, mas em que canal de TV ou cidade teria sido feita tão devastadora declaração? Em que data? Nenhuma informação consistente. Nenhuma informação confiável sobre a cidade ou canal de TV. Será que a imprensa, sempre ávida por declarações surpreendentes, não deu nenhuma importância a uma notícia de tamanho significado?
Phil Donahue, o apresentador de TV que teria entrevistado o "dono" da P&G, já declarou, diversas vezes, que jamais entrevistou nenhum executivo dessa empresa.
A versão que circulou em 1999 nos EUA diz que o presidente da Procter & Gamble teria se apresentado não no programa de Phil Donahue, mas no Sally Jesse Raphael show que foi ao ar no dia 01 de março de 1998, um domingo. Ocorre que esse programa é transmitido de segunda a sexta-feira. A produção do programa, obviamente, nega a entrevista.
Mais uma mentira.

Mais uma versão: a entrevista teria sido realizada no programa de Merv Griffin no dia 16 de janeiro (sem indicação de ano). Outra data: 01 de março de 1994 no programa de Phil Donahue. Outras versões mencionam o programa 60 Minutes e o programa de Oprah Winfrey.
Todos eles negaram a realização da entrevista e ninguém viu a entrevista.
O fato é que nenhum presidente da Procter & Gamble jamais esteve em nenhum programa de TV para falar sobre esse assunto. Se fosse verdade, pelo menos um video teipe, do tipo VHS (gravado em casa) ou do tipo profissional, gravado na emissora, existiria mostrando a entrevista. Por que não apareceu nenhuma fita? Porque ela não existe. A entrevista não se realizou.
A página Trademarks & Facts contém declarações negando que tenha havido entrevistas nos programas Sally Show, Jenny Jones e Phil Donahue.
Até agora, apresentaram-se, de um lado, alegações e mentiras. Do outro, fatos irrefutáveis e não passíveis de negação: não houve entrevista de funcionário da Procter Gamble na TV. Não há registros de supostas entrevistas sobre o tema.

E como essa lenda começou?
Tudo começou com uma "interpretação" do logotipo da empresa, criado em 1851. A idéia original era apresentar um rosto e treze estrelas representando as treze colônias que formaram os EUA. Essa marca, posta nos caixotes de vela e sabão, facilitava a identificação dos seus produtos. (V. evolução do logotipo em PROCTER & GAMBLE: STOP THE LIES!)
Em 1970, um espírito 'ilustrado' achou de interpretar o logotipo se baseando num joguinho de crianças: unir pontos para formar uma figura. A união das estrelas daria o número 666, o número da besta, do demônio, de satã.
Quem quiser se dar ao trabalho de unir as estrelas pode até conseguir desenhar alguns números como o oito e dois zeros: 800. O que isto significa? Palpite de uma centena pro jogo do bicho? Pode ser.

Iniciada na década de 70, a lenda tomou novos rumos na década de 90. Em 1995, advogados da Procter & Gamble entraram com ação contra a empresa Amway (aquela do 'marketing multinível') pedindo 595 milhões de dólares de indenização.
A Amway é uma das concorrentes da P&G e foi acusada de realizar "... competição antiética ao fomentar a divulgação, em alguns círculos religiosos, de que a marca da Procter & Gamble contém símbolos satânicos tais como o número 666 e os chifres do demônio." (V. P&G alleges Amway spread Satan rumors .)
Para comprovar a participação da Amway na campanha difamatória foi apresentada uma fita em que vendedores da Amway mencionavam a suposta vinculação.
Em 1991, dois distribuidores da Amway do estado de Kansas foram condenados a pagar 75 mil dólares por haver divulgado que a Procter & Gamble havia firmado pacto com o demônio.

A família DeVos, proprietária da Amway/Alticor, é mantenedora da Richard and Helen DeVos Foundation, entidade sempre associada à divulgação do ideário cristão-fundamentalista e conservador. O artigo The Big Four começa dizendo que a Fundação DeVos é grande defensora das causas religiosas fundamentalistas de direita. E continua: em 1994, a fundação destinou 8 milhões de dólares para igrejas conservadoras, causas políticas conservadoras, grupos anti-aborto e grupos que consideram a Bíblia como uma referência para o governo.
Mas isso é briga de branco, até porque a P&C também faz generosas doações para o Partido Republicano.

A Procter & Gamble foi criada em 1837 por William Procter e James Gamble e dedicava-se, inicialmente, à fabricação de sabão e de velas. Hoje, ela é uma multinacional com mais de 100 mil empregados e faturamento anual da ordem de 50 bilhões de dólares.
Conclusões:
* Não havendo comprovação da entrevista nem das declarações a recomendação cristã é não passar adiante esse tipo de mensagem, pois ela contraria o Oitavo Mandamento: "Não levantarás falso testemunho", "Não Mentirás";
* A recomendação do bom senso: não dar crédito a esse tipo de mensagem que pede para passar adiante uma bobagem sem pé nem cabeça;
* Quem divulga ou passa adiante uma história estapafúrdia como essa corre o sério risco de perder a credibilidade. A mensagem não possui fundamento factual, não possui fundamento lógico e, do ponto de vista religioso, é uma atitude condenável.

Ao pesquisar no Google o termo "satan church" o resultado é frustrante. Existe o domínio churchofsatan.com (atenção para o .COM de empresa comercial). Na lojinha do site, pode-se comprar camisetas, livros vídeos e outros produtos da grife.
O domínio churchofsatan.org remete para fcos.us onde também se encontra uma lojinha da grife. Quem visitar essas páginas vai se surpreender com a baixa qualidade de apresentação e os mais irônicos logo vão perguntar: o que essa gente andou fazendo com a dinheirama enviada pela P&G?

Fonte: http://www.quatrocantos.com/LENDAS/