quinta-feira, 30 de abril de 2015

A (MALDITA) IMPERMANÊNCIA


O ensinamento básico do budismo é a impermanência ou a mudança.
E já paro por aí porque é enorme a chance de divagações 'papo-cabeça' cujo já fui devidamente avisado que não rola mais.
(O que é perfeitamente explicável numa época de 140 caracteres.)

Pois bem: esse 'papo-não-cabeça' se deve ao fato de ter sido hoje o último dia de transmissão da Guarani FM de Belo Horizonte - uma das últimas guardiãs de programação musical digna em meio às iniquidades a que somos submetidos por todos os meios de comunicação.

Mas, voltando ao ensinamento do gurdim oriental, nesse caso específico tenho certeza que a tal da impermanência é uma merda.
É mais ou menos como você estar no Maracanã e escutar o locutor do estádio anunciar: "A ADEG informa: sai Garrincha e entra Cafuringa."

Explicando: a Guarani foi vendida para a rádio gospel Feliz FM, de São Paulo, comandada por um pastor sei lá quem de uma igreja sei lá qual e nem quero saber.

Vida - ou impermanência - que segue.

Obs.: Luiz Sales, meu amigo de priscas eras, dirigiu um espetacular vídeo de despedida da Guarani que, pelo menos até agora, não achei no youtube. Mas, é facinho de achar no fêicibúqui.

2 comentários:

  1. É duro!
    Vitor Lemos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E por aqui vou ouvindo a Cabo Branco FM (um vitrolão) e a Tambaú FM (a mais razoável da região).
      Ou seja, tenho frequentado bem pouco esse meio.

      Excluir